domingo, agosto 21, 2011

E se nem sequer há telepatia... que haja diálogo!



Telepatia


silêncio, calma


Feitiçaria da tua alma


Passo a passo, sem ter medo


Abrímos, soltámos o nosso segredo


E a sorrir, devorámos o mundo


Num abraço tão profundo


Telepatia, sem contratempo


Deixei-te um dia, num desalento


E eu sonhava, existia


P'ra sempre, p'ra sempre foi pura poesia


Sem pensar não vi que passavas


Pelo meu corpo não ficavas


Telepatia...


"Minha querida, eu soube sempre


Eu já sabia que te ia conhecer


Minha querida, era fatal


Fiz tanta força para isto acontecer


És tão bonita, meu amor


Não te queria perder"


Já sei, adivinho o que estás a pensar


Vim do outro lado do mar


Talvez um dia volte, não sei


Mas penso em ti, acredita


Adivinhei-te em segundos


Quando juramos eternidade"


E a sorrir, devorámos o mundo


Num abraço tão profundo


Telepatia, silêncio, calma


Feitiçaria da tua alma

2 comentários:

AC disse...

Nem sempre as aves voam na mesma direcção do vento...

Beijo :)

Me Hate disse...

É bem verdade... e neste momento nem aves, nem vento...

Beijo ;)