segunda-feira, outubro 11, 2010

Poesia e Musica



Lei


O que é preciso é entender a solidão!
O que é preciso é aceitar, mesmo, a onda amarga
que leva os mortos.
O que é preciso é esperar pela estrela
que ainda não está completa.
O que é preciso é que os olhos sejam cristal sem névoa,
e os lábios de ouro puro.
O que é preciso é que a alma vá e venha;
e ouça a notícia do tempo,
e. entre os assombros da vida e da morte,
estenda suas diáfanas asas,
isenta por igual.
de desejo e de desespero.


Cecília Meireles

4 comentários:

AC disse...

A sabedoria implica um longo percurso em que nos vamos despojando de tudo o que possuímos, até já pouco ou nada restar do nosso ego...
talvez aí tudo faça sentido.

Abraço :)

Me Hate disse...

AC, então deverei considerar-me uma pessoa feliz... estou cada vez mais despojada de tudo... de coisas do dinheiro de gentes... e cada vez mais agarrada às pequenas coisas da alma: os livros, a musica, a fotografia... e ao amor... ao novo, ao antigo... ao que foi e poderá vir a ser...

Um forte abraço

uminuto disse...

diria que é preciso a calma nos momentos de desespero, o sorriso na amargura dos dias e paz na guerra dos sentires...
...é preciso que encontremos partes de nós que nos fugiram na balada do tempo
beijo e boa semana

Me Hate disse...

... e que seja pacifico o encontro connosco quando pensamos que nos perdemos de nós... aos poucos, tudo isto é possibilidade...

Um beijo e uma excelente semana.