terça-feira, setembro 07, 2010

Arquitectura, Design, Arte...


O castelo de S. Jorge sempre foi uma fonte de inspiração para muitos lisboetas, inclusive eu. For certamente palco de muitas brincadeiras de miúdos, de muito namoro adolescente e é, sempre, miradouro principal da cidade mesmo havendo outros, em locais mais recondidos, que sejam melhores para essa observação peculiar.

É portanto com contentamento e surpresa que começa agora a ser revelada a musealização da área arqueológica da Praça Nova do Castelo, que já começou em 2008 mas até ao momento não se via.

É do conhecimento público que em 1996 teve início nesse local uma extensa campanha arqueológica que pôs a descoberto vestígios de diferentes momentos da sua ocupação. Removidos e protegidos os objectos aí encontrados (presentemente expostos no Núcleo Museológico do Castelo de S. Jorge).

Agora é pedida a protecção e musealização de três áreas distintas, dispersas por entre a topografia do campo arqueológico: um conjunto de estruturas habitacionais da Idade do Ferro, os restos das paredes e pavimentos de duas casas do período de ocupação muçulmana e uma superfície pavimentada de um palácio do século XV. A descrição e a informação serão também mais detalhadas.

A Praça Nova localiza-se num promontório na extremidade nascente do Castelo de S. Jorge, ladeada a norte pelas muralhas e a sul pela Igreja de Santa Cruz. A nascente abre-se numa relação de dominância visual sobre a cidade e o rio.

À semelhança do "campo operatório" das cirurgias (uma abertura no selo anti-microbiano, destinada a ser posicionada em torno do local da operação), procurou-se em primeiro lugar estabelecer com rigor o limite da área das escavações.
Como explica Carrilho da Graça: "Um conjunto de muros de contenção revestidos a aço corten definem todo o perímetro da área de escavações, demarcando com precisão o "campo" e aprisionando no seu interior, a uma cota mais baixa, as escavações e as ruínas postas a descoberto."

Assim, a ver se temos em breve o Castelo de S. Jorge de volta para os lisboetas e também para os restantes. Lembrem-se: lisboeta não paga. É de aproveitar mas não se esqueçam de levar o B.I ou o Cartão de cidadão para comprovarem a vossa "lisboetisse" se não...

Sem comentários: