segunda-feira, agosto 16, 2010

Musica, poesia...



Silêncio, Nostalgia...



Silêncio, nostalgia...

Hora morta, desfolhada,

sem dor, sem alegria,

pelo tempo abandonada.


Luz de Outono, fria, fria...

Hora inútil e sombria

de abandono.

Não sei se é tédio, sono,

silêncio ou nostalgia.


Interminável dia

de indizíveis cansaços,

de funda melancolia.

Sem rumo para os meus passos,

para que servem meus braços,

nesta hora fria, fria?


Fernanda de Castro

2 comentários:

mor disse...

Gostei muito, nao conhecia.
Bjss

Me Hate disse...

Olha para te ser franca até há coisa de 1 mês também não mas, depois fiquei com o dinheirito extra e decidi aplicá-lo em poesia... eu e os livros já se sabe... E olha que o dinheiro não foi mal aplicado, não senhora porque este até nem é dos melhores... ;)