segunda-feira, agosto 31, 2009

Manelita VS Manelito...

Em tempos idos, lia ávidamente as "opiniões" da Mafaldinha que tinha, tristemente, naquele (e neste) tempo muita razão de ser.

Não dava grande atenção às personagens dos pais (também não a tinham). Mas, gostava do sonhador Filipe, da fútil Susaninha, do grande coração de Miguelito e do esperto Gui.

Confesso que, logo a seguir à Mafaldinha a personagem de quem mais gostava era de Manelito... burro que nem uma porta mas que tinha o dom de tornar mais leve a tensão causada pelas opiniões contundente de Mafalda.

O que se segue foi um diálogo real num tempo surreal que me fez voltar a recordar - com alguma tristeza - a tal personagem de cabelo bem aparado:

C: Então tu não queres ver que aquela Leite, Manela ou lá ou que é, disse ontem no telejornal que estamos na merda à conta de se terem “diluído os pilares da sociedade como a família e o casamento”?

A: A ManUela Ferreira Leite?!

C: Exacto, essa!

A: Pois compreendo!

C: Como compreendes? Ela cometeu dois erros crassos!

A: Só?

C: Como só? Só e chega!

A: Foi um comentário irónico mas enfim...

C: Pois mas isso agora não interessa! O que...

A: Claro, a opinião democrática, mesmo a irónica, parece não interessar a muita gente faz tempo mas, continua, quais foram os erros.

C: Então não se está a ver?

A: Eu não vejo nada. Aliás... Já não vejo telejornal desde que se instituiu de novo a Salazarismo, desculpa, o Cavaquismo, bom um dos Ismos...

C: Bom como eu dizia: ela não só minorou o facto de estarmos numa crise gravíssima como ainda culpou subrepticiamente, as uniões de facto pela dissolução da família e da crise económica... Tá tudo doido ou quê?

A: Bom, assim de repente um facto incontornável é que as Perturbações da personalidade têm aumentado, ainda que, como boa noticia, a Doença mental tenha diminuído... Bem, agora que penso nisso talvez não sejam boas noticias, quer apenas dizer que está tudo... hum... equilibrado...

C: Tu e as palhaçadas e as psicologias! Estás a perceber o que te disse?

A: Com dificuldade porque tenho défice de atenção mas, no geral, sim!

C: Porra! Não levas nada a sério!

A: Claro que levo! Levo a sério que:
Devíamos agir e lamentar menos!
Levo a sério que se essa senhora soubesse o significado de qualquer uma dessas palavras devia estar bem calada ou então, não se tinha divorciado e, por conseguinte, ter "alimentado" esse "motor desbragado" que é o pilar da sociedade La famiglia (que só pode ser siciliana),
E por fim, levo a sério também o facto de produzir e que, neste momento estamos a ficar atrasados para entrar ao trabalho!

C: Porra! Também não era preciso seres assim.

Como diria esta Mafaldinha portuga: Dai-me paciência senhor!