sexta-feira, junho 26, 2009

Ódio Diabólico e em Dicionário...


Ócio:

Uma quinta-modelo na qual o Diabo experimenta as sementes de novos pecados e cultiva os vícios de primeira necessidade.

Conheço algumas "quintas", que depois foram sendo sextas, sábados, domingos... e só se cultiva mesmo disso... graças a deus que depois veio o gado!

quinta-feira, junho 25, 2009

Ódio e Sugestões...


E para quem gosta das festas de Lisboa e julgava que estas acabavam no fim do mês de Junho... desengane-se: Festival ao Largo.

De26 Junho a 19 Julho, sempre às 22h.

O Largo de São Carlos em Lisboa é palco do Festival ao Largo - inserido nas Festas de Lisboa - evento que se traduz numa grande festa de música, bailado e teatro. Da programação fazem parte obras fundamentais do repertório sinfónico e coral-sinfónico, de bailado clássico e contemporâneo e teatral, cuja interpretação está a cargo da Orquestra Sinfónica Portuguesa, Coro do Teatro Nacional de São Carlos, da Companhia Nacional de Bailado, do Teatro Nacional D. Maria II, entre outros. Dezoito espectáculos preenchem e animam as noites de Lisboa durante três semanas.
Entrada livre que, para os dias que correm é sempre uma boa notícia...

Programa:
26, 27 Jun Noites Brancas, Orquestra Sinfónica Portuguesa Coro do Teatro Nacional de São Carlos, Michail Jurowski, direcção musical.

28 Jun Noite Romântica, Orquestra Sinfónica Juvenil, Christopher Bochmann, direcção musical.

29 Jun Noite Coral, Coro dos Pequenos Cantores da Academia dos Amadores de Música Vítor Paiva, direcção musical.

30 de Jun Noite Popular, Orquestra de Bandolins da Madeira, Eurico Martins, direcção musical.

1 Jul Noite Napolitana, Orquestra de Bandolins da MadeiraCarlos Guilherme, tenor Eurico Martins, direcção musical.

2 de Jul Dido e Eneias de Henry Purcell, Atelier de Ópera da Escola de Música do Conservatório Nacional, Coro de Câmara da Escola de Música do Conservatório Nacional, Grupo de Bailados Canora Turba, Carlos Avilez, encenação José Manuel Araújo, direcção musical.

4, 5 Jul Carmina Burana de Carl Orff, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Coro do Teatro Nacional de São Carlos, Golo Berg, direcção musical.


E o Opart Festival ao Largo

Programa:
8 a 10 Julho - Strokes through the tail

11, 12 Jul Marguerie Donlon, coreografiaSinfonia nº. 40, de W. A. Mozart, Cantata Mauro Bigonzetti, coreografia Gruppo Musicale Assurd, arranjo e interpretação musical, a partir de música original e tradicional do Sul de Itália Companhia Nacional de Bailado.

16 Jul Menina Júlia de August Strindberg Rui Mendes, encenação Albano Jerónimo, Beatriz Batarda e Isabel Abreu, actores, produção do Teatro Nacional D. Maria II.

17, 18 Jul Recital e Taltextos satíricos, numa selecção de Nuno Artur Silva e Inês Fonseca SantosRita Blanco, Miguel Guilherme e Diogo Dória, actores.

19 Jul Amor de André Sant’Anna Marcos Barbosa, encenação Flávia Gusmão, actriz, produção do Teatro Oficina de Guimarães.



Além disso, para a boa disposição ainda temos os: Cebola Mol.

30 Junho: 22h

O Fim dos Cebola Mol é o álbum de regresso dos irmãos Phil e Eddie Stardust, quase 9 anos após a sua estreia. Para além do novo disco, a maior banda de comedy rock do mundo tem também um novo espectáculo e muito, muito, muito humor.

Informações Úteis: Preço do bilhete: 8€

Casino de Lisboa - Auditório dos Oceanos
Endereço: Alameda dos Oceanos, lote 1.03.01

Parque das Nações1990-204 Lisboa
Telefone: 218 929 000
Fax: 218 929 059
Acessos: metro Oriente



E uma fantástica Vanessa da Mata a actuar dia 3 de Julho num tal de Festival Delta Tejo. Melhor, só mesmo uma Ive Mendes!

Internet: http://www.musicanocoracao.pt/
Informações Úteis: Preço do bilhete: 25€ (bilhete diário), 40€ (passe 3 dias)

Mas aqui... já não sei se haverá ainda bilhete!!!!!!!



LAST, BUT NOT LEAST:
Yann Tiersen a 6 Julho: 21h

O bretão Yann Tiersen, que se popularizou ao compor as bandas sonoras dos filmes O Fabuloso Destino de Amélie Poulain e Good Bye, Lenin! regressa ao CCB. Esta é, a oportunidade de rever um fabuloso músico que tão originalmente conjuga estilos musicais distintos, que vão desde a música tradicional francesa e do minimalismo ao rock e à música clássica.

Informações Úteis: Preço do bilhete: 27,50€ a 35€.

E com tanta coisa por onde escolher, o difícil MESMO, é comprar e escolher a qual não queremos ir... lembrem-se... a primeira, é sempre grátis... Ha, ha, ha...

quarta-feira, junho 24, 2009

Ódio e Efemérides...


František Kupka (Opocno, 23 de Setembro de 1871 - Puteaux, 24 de Junho de 1957) foi um pintor checo, ainda que pouco conhecido, é o pintor a investigar...

Após a licenciatura, Kupka parte para Viena, Áustria, onde estuda na Akademie der Bildenden Küste, e toma contacto com Gustav Klimt, Arnold Schönberg e Sigmund Freud, aprofundando o seu lado oculto... començando a desenvolver furiosamente algumas das suas melhores obras.

Contudo, é em 1896 viaja para Paris, onde se instala definitivamente. A Cidade das Luzes irá ter um efeito libertador da influência obscura de Viena. Estuda na Académie Julian e na École des Beaux-Arts. Trabalha, nos primeiros anos passados em Paris, em ilustrações para publicações, de conteúdo satírico, como Cocorico e L'Assiette au Beurre, e na elaboração de cartazes.

Por volta de 1906, Kupka dedica-se ao estudo da cor, elaborando pinturas de colorido intenso, e de pinceladas arbitrárias. Influênciado pelos irmãos Duchamp Villon, seus vizinhos no bairro Puteaux, onde residia, Kupka frequenta reuniões dedicadas às artes plásticas, e à ligação da matemática ao cubismo.

Kupka incia, assim, o caminho para a abstracção, através de pinturas como Discos de Newton (1911) ou Amorfa (1912). Em 1912, Kupka, juntamente com Robert Delaunay, Fernand Léger e Francis Picabia, faz parte de um grupo de artistas integrados no movimento cubismo órfico, fica aliás na história das artes à conta deste movimento.

Os anos 40 marcam, de novo, uma fase negativa para Kupka, que se vê obrigado a retirar de Paris, em 1940. A 2ª Guerra Mundial leva a que Kupka, dado ser checo se refugie na cidade de Beaugency. Só no pós-guerra é que, finalmente, é reconhecida a obra de Frantisek Kupka. Morre na sua casa de Puteaux em 1957.

Cada vez é mais reconhecida a contribuição deste pintor para a definição das primeiras fases do movimento da arte abstracta... Como disse, inicialmente: a investigar... muito mais!

terça-feira, junho 23, 2009

Ódio e Arquitectura...


Bernd e Hilla Becher no seu trabalho as “Esculturas" levaram à letra o mito da genialidade e a sua relação directa com o acto criativo.

É à conta do século XX, nomeadamente a partir das vanguardas históricas, nomes como os Delaunay, ou os Arp, que remetem sempre para as experiências artísticas a dois, entre marido e mulher. Mas, podemos ainda evocar, neste contexto, os trabalhos colectivos do grupo cubista de Gleizes e Metzinger, os dadaístas do Cabaret Voltaire, ou a prática surrealista dos Cadavre Excquis, que combinava, sob o lema freudiano do inconsciente, a participação plural em desenho e pintura... Mas não falemos de psicologia, nós por cá, andamos farta de gente louca.

O importante neste dupla, foi o desenvolvimento dos programas conceptuais, substituindo progressivamente o privilégio da expressão e da visualidade - ligadas sobretudo ao valor individual do acto criativo - possibilitou a ascensão de processos disciplinares mais complexos, originando uma maior e plural participação através da instalação ou da performance, contextos onde logicamente se revelou a maioria das duplas de artistas da segunda metade deste século.

Trata-se assim de analisar a forma de colaboração que leva dois indivíduos a não possuírem qualquer identidade fora da sua união. É no binómio que as diferenças e similitudes são levadas aos extremos e que o problema da autoria da obra de arte ganha maior acuidade... E isto, até mesmo sem ser analisado à lupa, dava uma bela monografia, imagem, analisado em termos psicanalíticos pelo puro prazer de compreender as complexidades das relações humanas...

segunda-feira, junho 22, 2009

Ódio Musical presente...

Aviso:
Este aniversário foi muito bom... E no fim, o Tony Carreira não levou a melhor! ;)
A "rapaziada" importante este presente no dia... para uns houve café, para outros praia, outros jantar e para os mais resistentes: tudo e ainda fogo de artíficio enviado especialmente como presente de um "mister" muito importante.
Fez-me lembrar um outro aniversário, há muitos anos atrás em que em Évora (os amigos não ultrapassaram os 6...), estava calor (muito), o almoço foi feito à sombra de muitas árvores e à noite, uma Adriana ainda desconhecida do público tocou (gratuitamente) para toda a gente que se encontrava no jardim do centro da cidadela...
No fim, do concerto ainda deu para tomar um copo com a tal da Adriana que me deu timidamente os parabéns e ainda nos enganámos diversas vezes no nome...
- Canhoto? És Canhota?
Não, não sou Calcanhoto... Adriana Calconhoto.
- Ah... eh pá esse nome é estranho! No mundo da música não sei se vai pegar!
- É, mas eu também sou meia-esquisitinha mesmo!




O Homem do leme

Sozinho na noite
um barco ruma para onde vai.
Uma luz no escuro brilha a direito
ofusca as demais.

E mais que uma onda, mais que uma maré...
Tentaram prendê-lo impor-lhe uma fé...
Mas, vogando à vontade, rompendo a saudade,
vai quem já nada teme, vai o homem do leme...

E uma vontade de rir nasce do fundo do ser.
E uma vontade de ir, correr o mundo e partir,
a vida é sempre a perder...

No fundo do mar
jazem os outros, os que lá ficaram.
Em dias cinzentos
descanso eterno lá encontraram.

E mais que uma onda, mais que uma maré...
Tentaram prendê-lo, impor-lhe uma fé...
Mas, vogando à vontade, rompendo a saudade,
vai quem já nada teme, vai o homem do leme...

E uma vontade de rir nasce do fundo do ser.
E uma vontade de ir, correr o mundo e partir,
a vida é sempre a perder...

No fundo horizonte
sopra o murmúrio para onde vai.
No fundo do tempo
foge o futuro, é tarde demais...

E uma vontade de rir nasce do fundo do ser.
E uma vontade de ir, correr o mundo e partir,
a vida é sempre a perder...

José Pedro dos Santos Reis

sexta-feira, junho 19, 2009

Ódio Diabólico e em Dicionário...


Orar:

Pedir que as leis do universo sejam anuladas em favor de um único postulante, que se confessa indigno. Mas, nós por cá vamos rezando mesmo para que amanhã com muita ou pouca gente a "coisa" corra bem! ;)

quinta-feira, junho 18, 2009

Ódio e Sugestões...

Ok, está comprovado o mundo (até mesmo o pimba) está contra mim... Que dizer???

Dia 20:

Gay Parade... logo aqui fiquei meia "parade" do cérebro e disse: Qué???????? Pronto uma data de amigos que só para aparecer na TV já não vão....

Depois não sou eu que vou à Indía mas, em compensação ela vai estar no mesmo dia cá e eu vê-la?! "Pevides"!!!! Na exposição vão estar outros tantos amigos...

Como se tal não bastasse O Tony Carreira (esse grande génio musical) decide fazer um piquenique para o resto dos meus amigos que não vão à Gay Parade mas, gostam do garrafão de 5 e de televisão!!!!!!!!! E logo aí o cérebro só disse: Ai JASUS (com A, mesmo!).

Depois os freaks do Yoga, que também os tenho, não se podem deitar muito tarde porque no dia seguinte vão celebrar o Dia Mundial do Yoga logo pelas 10:00 da matina... E eu só já pensei: Eh pá mais valia não irem... sempre com hora marcada, não podem comer isto, não podem praguejar e mais não sei o quê...

Ainda sobram uns tantos...

Uns com criancinhas e que por isso "Eh pá jantar????? Não pode ser almoço?????? Ah e uma prainha depois por volta das 17:00 para não lhes fazer mal à pelinha???? E aí vociferei: Olá rapaziada, então e que tal decidir eu que SÓ POR ACASO é o meu dia?????? Andor!!!!!

Outros que são pessoas com muitos afazeres e que portanto, nesse dia já têm um "Workshop de Patchwork"... Patch-what-a-fuck???????? Beeemmmmmm...

Restam-me uns poucos mas bons que já me disseram: Eh pá tu não te preocupes porque nesse dia tenho de ir fazer umas vendas para a Feira da Ladra mas, assim à noite já tenho dinheiro para jantar, "night" e táxi!

Resumindo: Vou dormir até tarde, depois, uma bela duma prainha (de preferência na hora do cancro só para chatear os outros), depois marco mesa, a contar só comigo porque quem aparecer é bem-vindo... quem não vier, tá-se bem, haverá mais anos... Ui, se haverá!

Enjoy!

quarta-feira, junho 17, 2009

Ódio e Efemérides...

Esta é uma semana especial, por isso não me apetece falar sobre mortes, nascimentos e "afinses"... Assim, hoje escrevo sobre um império que, dizem, começou a tomar forma por volta deste mês, há muito ano atrás... "In a far, far, far away galaxy..."....

Eregeu-se a Roma Antiga, nome dado à civilização que se desenvolveu a partir da cidade de Roma, fundada na península Itálica durante o século VIII a.C.. Durante os seus doze séculos de existência, a civilização romana transitou da monarquia para uma república oligárquica até se tornar num vasto Império que dominou a Europa Ocidental e ao redor de todo o mar Mediterrâneo através da conquista e assimilação cultural.

No entanto, um rol de factores sócio-políticos causou o seu declínio, e o Império foi dividido em dois. A metade ocidental, onde estavam incluídas a Hispânia, a Gália e a Itália, entrou em colapso definitivo no século V e deu origem a vários reinos independentes; a metade oriental, governada a partir de Constantinopla passou a ser referida, pelos historiadores modernos, como Império Bizantino a partir de 476 d.C., data tradicional da queda de Roma e aproveitada pela historiografia para demarcar o início da Idade Média.


A civilização romana é tipicamente inserida na chamada Antiguidade Clássica, juntamente com a Grécia Antiga, que muito inspirou a cultura deste povo. Roma contribuiu muito para o desenvolvimento no mundo ocidental de várias áreas de estudo, como o direito, teoria militar, arte, literatura, arquitectura, linguística, e a sua história persiste como uma grande influência mundial, mesmo nos dias de hoje.

Ora e aí está declínio para uns prosperidade para outros... às vezes a história do mundo, até parece historia de vida!

E sim pessoal, a "The Final Countdown" continua aqui... deste lado da Europa! ;)


terça-feira, junho 16, 2009

Ódio e Arquitectura...




Menos, na maioria das vezes, é mesmo Mais... A Unidade Industrial da Inapal Metal AutoEuropa, em Palmela, é exemplo desse ditado!

O espaço exterior é organizado em função das circulações de veículos, dos fluxos de matérias-primas e produtos acabados. A pesquisa centra-se na "pele" do edifício que se baseia na procura de um só material de revestimento (chapa metálica trapezoidal), que se adapta e uniformiza todas as situações de projecto.

O material torna-se conceito e síntese da solução. Explora-se a versatilidade do material, quanto às diferentes aplicações e orientações, chapas standartizadas quando é necessário encerrar, revestir e dobrar; chapa cortada às fatias e fixas em forma de favo de abelha quando é necessário iluminar, sombrear e ventilar, proporcionando efeitos inesperados de domesticação e humanização dos espaços sociais da unidade industrial. A linguagem da obra tem por referência a linguagem das linhas curvas do automóvel.

A simplicidade do edifício foi concebida numa combinação do extenso e complexo programa técnico interior, que é standartizado por uma pele metálica exterior contínua, com uma imagem evocativa do design automóvel, como os painéis laterais e as grelhas de radiador...

E aí está: uma fábrica de automóveis para automóveis... Hum, começo a pensar que os únicos que não têm expressão são mesmo os humanos ou então é um fascismo, mascarado de democracia... Tché... cada vez pior....

By the way: a contagem decrescente continua!

segunda-feira, junho 15, 2009

Ódio Musical passado... Queen - I Wanto to Brak Free.

Liberdade

— Liberdade, que estais no céu...
Rezava o padre-nosso que sabia,
A pedir-te, humildemente,
O pio de cada dia.
Mas a tua bondade omnipotente
Nem me ouvia.

— Liberdade, que estais na terra...
E a minha voz crescia
De emoção.
Mas um silêncio triste sepultava
A fé que ressumava
Da oração.

Até que um dia, corajosamente,
Olhei noutro sentido, e pude, deslumbrado,
Saborear, enfim,
O pão da minha fome.
— Liberdade, que estais em mim,
Santificado seja o vosso nome.

Miguel Torga

segunda-feira, junho 08, 2009

Gooooooooooooooooo... Era!

Sim, confesso: este "post" está pré-programado para sair hoje ainda que já esteja longe daqui... e "quiça" perto de um de vós...
Com muita praia...



Boa comida...



Alguns amigos...




E muito, muito...


Volto em breve até lá... Leiam o que ainda não tiveram tempo para ler e comentem! ;)

sexta-feira, junho 05, 2009

Ódio Diabólico e em Dicionário...


Ladrão (Ladra):

Nome vulgar para um(a) indivíduo(a) com sucesso em obter a propriedade dos outros.

Pessoa que ladra mas não morde.

Pessoa que ao morder, morde sempre a mão que a alimenta!

Pessoa que é sempre, mais cedo ou mais tarde, apanhada nas malhas da sua própria "ladroice"!

quinta-feira, junho 04, 2009

Ódio e Sugestões...

IUPI!!!!! Junho é de facto um mês DO CARAMBA! Não só porque nasci e logo é um belo mês mas porque é a altura por excelência de la Cité, é o Óscar cá da terra: ele é as sardinhadas, ele é os feriados, ele é o sol e o bom tempo, ele é o Santinho (Atchim!), ele é a MESMO a P... da loucura e mai nada!!!!!! E porque ontem falámos de psudo-gays... ele é também a altura das Parades, dos Orgulho e dos Arraiais... assim de repente de-se-me um arrepio "sado-maso"... Diabo! A psicanálise não anda a resultar... Fixe!!!!!!!


Festas de Lisboa 2009:

Experiência Variações.
André Murraças (belo nome by the way), interpretação.
De 9 a 14 Junho: 21h30 e 23h
Espectáculo sobre a vida e obra de António Variações.
Informações Úteis: Preço dos bilhetes: 10€

Maiores 12 anos.

(belíssimo sitio para se ir e estar... pena agora também ser tão conhecido e... mal frequentado... Ai!)

Endereço: Rua da Fábrica de Material de Guerra, 1
Horários: Quarta a Sexta: 20h-2h, Sábado: 10h-2h, Domingo: 10h-22h
Telefone: 218 686 105


Para quem gosta de emoções... mais fortes (?!?!) e vai aproveitar já esta semana para dar o chega pra lá neste quadradinho ao sol plantado (como me, myself and I), aconselho: PAMPLONA!

Desculpem deu-se-me o acesso de fúria e queria dizer BARCELONA mas, o que de facto não se deve perder é mesmo a largada de toiro em Pamplona das festas de San Fermin (Dia 07 é o dia da largada mas antes depois também há muito para fazer)... estes "espanholetes" não podem ver uma festa cá no Condado Portucalense que vai logo de copiar IRRA!!!!!!!!!!

quarta-feira, junho 03, 2009

Ódio e Efemérides...


Franz Kafka (na língua checa: František Kafka - Praga, 3 de Julho de 1883 - Klosterneuburg, 3 de Junho de 1924) foi um dos maiores escritores de ficção da Língua alemã do século XX. Kafka nasceu numa família de classe média judia em Praga, Império Austro-Hungaro (agora República Checa).

O seu estilo literário presente em obras como a novela A Metamorfose (1915), e romances incluindo O Processo (1925) e O Castelo (1926) retratam indivíduos preocupados em um pesadelo de um mundo impessoal e burocrático... Mais ou menos as preocupações do nosso Primeiro-ministro que, podendo, movia processos a uma data de gente, sofria uma metamorfose e refugiava-se num belo Castilho... hum, Castelo!

Filho mais velho de Herrmann Kafka, um abastado comerciante judeu, e de sua esposa Julie, nascida Löwy. Nascem depois dele dois meninos, que irão morrer pouco tempo após o nascimento, facto que segundo alguns psicólogos especialistas na obra de Kafka, terá sido um factor determinante para o sentimento de culpa presente nos seus livros (os recalcados ou são génios ou são loucos... que aborrecimento eu só conhecer loucos); e três meninas, sendo Ottilie a sua irmã favorita, com quem ele chega a morar algumas vezes. Kafka cresce sob as influências de três culturas: a judaica, a checa e a alemã.

Em 1902 conhece Max Brod, que virá a tornar-se no seu grande amigo, e no ano de 1922 pedirá para que este destrua todas as suas obras após sua morte. Em 1903 Kafka tem a sua primeira relação sexual (pronto boa altura! Eu cá recomendo... aos 20 anitos uma pessoa já sabe o quer, como quer, quando quer, onde quer... bem e daí talvez não... pois...), o que lhe trará insegurança por toda sua vida... "Atão" devia ter sido quando????? Raio de escritores e de gente inteligente que tem sempre de ter coisas mal resolvidas e mais não sei o quê!!!!!!

Nesse ano também, fará a sua primeira visita a um sanatório... DUH! Com esta "pancada" porquê é que isto não me surpreende????? Teve vários casos amorosos mal resolvidos (AGAIN: porque será que isto não me surpreende??????), uns por intervenção dos pais das raparigas (que espanto!), outros por desinteresse próprio (Ah que coisa tão inesperada!).

Entre 1914 e 1924, Kafka esteve três vezes perto do casamento. Desistiu sempre... Ora aqui está algo que vem como verdadeira revelação!!!!!! Tentou primeiro com Felice Bauer, uma alemã com quem se correspondeu até 1917. E a segunda vez foi com Milena Jesenská, mais nova do que ele... Para o fim da vida dá-se-lhes sempre uma de... juventude!!!!!

Kafka falece dia no sanatório Kierling perto de Klosterneuburg na Áustria. A causa oficial da sua morte foi insuficiência cardíaca, apesar de sofrer de tuberculose desde 1917.

A escrita de Kafka é marcada pelo seu tom despegado, imparcial, atenciosa ao menor detalhe, e que abrange os temas da alienação e perseguição. A obra sobre Kafka é já de maior dimensão do que o trabalho próprio do autor, e vai desde estudos literários sérios até análises psicológicas do autor, a quem já foram atribuídos todos os tipos de complexos e traumas concebíveis... nós a cambada de psicólogos que vemos logo numa formiga um insecto... não esperem, que vemos logo numa formiga um... elefante, é isso! Pois... ou... não!

A própria sexualidade de Kafka chegou a ser discutida, apesar de que para muitos dos seus leitores o desejo por mulheres está evidente na maioria de suas principais obras, e o próprio Kafka não ter dado em vida, nenhuma razão para que alguém afirmasse que ele era homossexual.

No entanto, e nestes tipinhos "amalucados" há sempre um porém, um contudo.... a obra de Kafka tem despertado enorme interesse entre os leitores gays (estranho! Eu gosto e não sou... hei esperem... será que... OK, amanhã psicanálise tipo: JÁ!).

De acordo com Ruth Tiefenbrun, a maior parte dos seus personagens são homens homossexuais, que simultaneamente exibem a necessidade de se esconder e de se exibir... "Atão" pá mas como é que é???? "Andemos" a brincar às escondidas ou quê?????? Lá está o nosso P.M. com palhaçadas... não esperem... lá está um B.M.(W.) a passar! Pois... ou... não!

Mas onde é que eu já vivi esta história????????? Hum... ... ... Bem, não sei! Devo ter recalcado!!!!!!

terça-feira, junho 02, 2009

Ódio e Arquitectura...

Sempre gostei de ter Planos B... normalmente porque os meus A, das várias, uma sucede:
1 - Ou correm invariavelmente mal;
2 - Ou dão cabo do tipo;
3 - Ou são planos que nunca fizeram sentido sem ser na minha cabeça;
4 - Ou ainda, porque, pura e simplesmente, são planos... e portanto, ainda não compreenderam as curvas e os buracos da vida!

Para além disso sempre gostei de Arruda dos Vinhos, acima de tudo por causa de 3 coisas:

1 - Uma amiga (a propósito M.J. como estás????);

2 - Pelo famoso "Fuso" (caramba tenho de lá voltar!) e;

3 - Por velho mas bem presente amor romântico com o qual ainda mantenho contacto (a ver se me lembro de quando for a Arruda de juntar os 3...)

Portanto, a "Casa em Arruda dos Vinhos" (Plano B) literalmente, tinha de ser falada aqui no "pequeno burgo do ódio"...

O projecto substitui um edifício existente e que eu conheço bem mas que, infelizmente se encontrava em ruínas integrado em Reserva Ecológica.

Os parâmetros urbanísticos tiveram que ser mantidos: implantação, área de construção e de impermeabilização, altura e a utilização como arrecadação. Assim, em grande medida, o trabalho dos arquitectos foi mínimo utilizando os materiais já existentes: pedra, terra, madeira.
Não existem janelas, apenas portões e algumas entradas de luz sob o revestimento da fachada o que é pena porque no sitio onde está a luz teria sido uma (ainda melhor) aposta.

A estrutura é composta por elementos de eucalipto com uma secção de 20x10cm espaçados por 60cm. A face exterior da parede é revestida por placas de cortiça e de policarbonato, separadas por uma caixa-de-ar. O interior das paredes é revestido com um fasquiado de madeira, rebocado e pintado. Após a estrutura estar executada, os trabalhadores especializados deram lugar a voluntários que preencheram as paredes com terra e palha.


Na ocasião, esta mão-de-obra foi constituída pelo cliente, pelos arquitectos e pelos amigos de ambos... um deles conheço bem... e a outra um pouco melhor por isso, tenho mesmo de lá voltar, acima de tudo porque:

1 - Gostava de ver o projecto;

2 - O dono do "Fuso" que (é amigo de longa data dos amigos e dos meus "papás") já se queixou;

3 - Por fim, e mais importante, porque tenho mesmo MUITAS saudades dos meus amigos de lá... e está na hora de dizer sim a alguns!

Quanto a vós, se lá forem, uma dica: no "Fuso" uma costela de novilho dá para 3 mulheres e para 2 homens! E o resto... eh pá, descubram, Portugal é pequeno mas ainda vai tendo uns segredos bem engraçados de descobrirmos... e guess what (?!?!) não são as Europeias!!!!

segunda-feira, junho 01, 2009

Ódio Musical passado... Portishead - Only You

Soneto do amor total

Amo-te tanto meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te enfim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Vinicius de Moraes