terça-feira, maio 26, 2009

Ódio e Arquitectura...


Hoje fiquei algo dividida sobre o que falar neste âmbito: se sobre o prémio BES Foto, se sobre o Instituto Holandês de Som e Imagem em Hilversum...

Se na primeira a minha prima não só já concorreu como já ganhou o prémio duas vezes, a outra é deveras inovadora e, dado que ultimamente tenho "sido muito isenta" talvez seja melhor falar sobre o segundo... hum...

Primeiro e antes do mais, em sintonia com os livros (visão) o som será o outro dos meus sentidos que mais gosto de estimular... os outros sentidos vão sendo estimulados a seu devido tempo e, com o tempo certo... lá iremos, noutro dia!

O Instituto, que contêm toda a história da televisão holandesa, em painéis de vidro coloridos e sustentáveis, tenta também atingir a qualidade de transmissão de luz das janelas das catedrais, não meramente a aplicação de uma tecnologia de vidro transparente e espelhado, mas antes uma superfície táctil iluminada... diz quem lá esteve que é digno de se ver, ouvir e deleitar... talvez chegue a muitos mais sentidos do que os primeiramente descritos no paragrafo anterior.

A fachada demorou três anos a construir, a partir do desenvolvimento de uma linha de produção inteiramente nova, com a colaboração de Jaap Drupsteen e em colaboração com a equipa de investigação da TNO Eindhoven e com o fabricante de vidro Saint Gobain. O resultado são 748 imagens coloridas de alto-relevo que foram aplicadas em mais de 2100 painéis de vidro... demorou mas, por aquilo que já vi, valeu a pena e... mais vale demorar muito tempo e fazer as coisas bem do que... ... ... enfim, sabem a que me refiro!

Drupsteen transferiu as "frames" manipuladas do vídeo para os painéis, uma operação completamente digital que lhe permitiu, em teoria, transferir um número ilimitado de diferentes imagens sem custo adicional. Mais complicado foi o processo de criar relevo, que parte do mesmo princípio utilizado no vidro "slumping" mas, como Holanda não é Portugal (ainda bem para os holandeses), as coisas foram difíceis mas, chegaram a "bom porto" pois conseguiu-se um tipo de vidro resistente aos raios, UV e de longa durabilidade... Quiça, não venha a ser útil para nos proteger também da crise...