sexta-feira, abril 24, 2009

Ódio Diabólico e em Dicionário...


Tempo:

A arrogância e a manipulação tornada realidade...

quinta-feira, abril 23, 2009

Ódio e Sugestões...





Hoje e porque vou MESMO de férias... é também o único conselho que dou... e versão "photo...whatever"!

;)

Portanto... como se vai de mochila às costas (para variar) ainda não sabemos quanto tempo é que ficamos fora mas... quem tem o meu numero "fáváre" de contatri" hem?!?! E "manda nutícia viu"??????

quarta-feira, abril 22, 2009

Ódio e Efemérides...


Ora, ora, para o pessoal que não gosta de "dar ao miolo", cá está mais uma figurinha que ainda dá para ser colada na caderneta... de gente marada mas... never the less...

Bóris Nicoláievitch Iéltsin (Butka, Sverdlovsk, 1 de Fevereiro de 1931 — Jordânia, 22 de Abril de 2007) foi um político russo, com um importante papel na história recente da União Soviética e da Federação Russa... Ah e gostava um bocadinho de vodka...

Era casado com Naina Iosifovna Ieltsina, com quem teve duas filhas, Iélena e Tatiana, nascidas em 1957 e 1958, respectivamente... Certíssimo: ele chama-se Iéltsin e a mulher com quem casa Ieltsina... Acho bem! Qué isto de uma mulher ser independente????? Naina, naina, naina... oh ganda maluca!!!!!!

Foi o primeiro presidente da Rússia em 1991, após o fim da União Soviética, e o primeiro eleito democraticamente na história daquele país governando entre 1991 e 1999. A sua eleição, em 1991, ficou envolta de muita expectativa e a 12 de Junho de 1991, Iéltsin ganhas as eleições com 57% dos votos... portanto 57% de votos é expectativa... hum... 50,1% será o quê em cirílico?????????

A era de Iéltsin ficou marcada pela grande corrupção que assolava a Rússia, o desemprego, a fome e os conflitos com a Chechênia assim como aos colapsos económicos e à venda sem organização de empresas a privados como a Lukoil fazendo com que a sua popularidade fosse baixa durante alguns tempos... Só durante algum tempo??????? Tá bem!
A
Em 1994 ordenou a invasão da Chechénia originando a primeira Guerra Chechena, até chegar a um tratado de paz em 1996, violado pouco tempo depois... a ver, não foi culpa dele... quer dizer, foi... não... esperem que vou ali consultar o BO ou aquele rapaz que pertencia à equipa do Dr. House e agora é também da equipa do BO... hum... pois... certo... hum... Aí está: a culpa foi precisamente do camarada traidor Vodka!

Lá por Coimbra e com os estudantes, o tal V. também anda a causar uma confusão do Caramba mas, isso são são outras mil... garrafas!
A
Iéltsin foi o responsável por transformar a Rússia num Estado capitalista, deixando de lado o comunismo. Criou-se a terapia (como diz que disse???? Terapia de?????) de choque económica levando muitas famílias dependentes dos subsídios soviéticos a passarem muitos problemas económicos e sociais... Soviéticas ou portuguesas????????
A
Tu espera lá... Helena vem do Elena, obviamente soviético e nada desses "mambo-jambos" gregos, temos cá Vodka (até de várias cores, o meu favorito até é o CRANBERRIES... bebe-se bem, e sempre se ouve uma musiquinha porreira) e, jovens, acima de tudo... temos cá gente bastante DEPENDENTE dos subsídios, dos pais, dos amigos e dos coisos e tal... venham eles por ordem directa (ah e tal faleceu-me aquela tia que eu não conhecia) ou indirecta: segurança social, subsidio de desemprego... Hum... os lixados portanto são os de sempre: o recibo verde... se eu for do Benfica ou do Porto isso traz vantagens de contratação ou só mesmo depois de serem TODOS ilibados?????

Bem, não importa, o Boris faleceu aos 76 anos de idade de complicações cardíacas após uma visita à Jordânia... Atão mas qual era o problema da Jordânia?????? Não tinha Vodka? Recibos verdes ou... subsídios????????

AI! Alguém que me explique que já estou perdida...

terça-feira, abril 21, 2009

Ódio e Arquitectura...


Robert Smithson é dos tais que anda entre o tempo, entropia e arte... complicado? Também achei... depois procurei informação... Sim, que à excepção de uma ou outra "cabeça iluminada" ninguém nasce ensinado!!!!

Em 1970 Robert disse: O trabalho de arte não se colocam num lugar, é esse lugar.

Em Setembro de 1967, Robert Smithson pegou na sua máquina fotográfica e encetou uma viagem por Passaic, a sua cidade natal, convertida então num subúrbio deprimente de Nova Jérsia (na minha opinião todos os E.UA. são-o a seu devido tempo...). Contudo, as imagens e os textos resultantes desse exercício, publicados na revista Artforum (que consultei e fiquei maravilhada) como projecto artístico, revelaram a surpresa de uma paisagem ambiguamente fascinante, marcada pelos despojos de um território industrial desolado mas, não obstante, com grande capacidade de evocação... Fazendo jus ao "post" anterior", era bom que o amor (nas suas mais diversas formas, o filial, o amoroso... fosse assim)...

Porém, não seria nada disto que a viagem de Smithson interpretava, pelo contrário: esteticamente, as instalações industriais devastadas, como ruínas capazes de alcançar a imortalidade do monumento, assumindo aí a memória e a dignidade imersa de uma paisagem industrial esquecida e entrópica... muito mais haveria a dizer acerca destas palavras: imortalidade, dignidade, esquecida... mas não querendo aborrecer-vos ainda mais...

O importante é este foi o primeiro trabalho em que abordou directamente a noção de lugar como processo de desestruturação, relacionado com a erosão e a degradação industrial. Por outro lado, aí nascia a ideia de produzir arte a partir de uma nova espécie de "readymade": a terra, enquanto lugar em constante transformação.

"Um grande artista - escreve Smithson - pode realizar arte simplesmente com o olhar. Uma série de olhares podem ser tão sólidos como qualquer coisa ou lugar, mas a sociedade continua a valorizar apenas os objectos de arte". E isto faz-nos (na nossa simples vida, querer voltar a sítios, sem que tal nos dilacere de tal forma o "órgão batente" que, Robert, podia não ter alcançado mais nada na sua vida mas, deu-nos esta perspectiva de renovação que nem todo o artista dá... ou consegue dar!

Não podemos esquecer que a obra para um sítio específico evidencia que o lugar está em permanente mutação. É a própria intervenção artística que possibilita uma nova maneira de apreender e vivenciar o lugar, engendra novas significações e novos modos de ver. O espectador tem desse modo a sua capacidade de observação questionada, a percepção exige um trabalho: caminhar, investigar. Ver com os pés.

Robert Smithson é o mais importante precursor dessa estratégia vivencial e artística. Os lugares confirmam-se assim enquanto monumentos da natureza, como dimensões de espaço e tempo que transcendem a experiência e a capacidade cognitiva individuais. As operações pontuais que o artista exerce sobre elas não procuram adequar-se ao lugar, criar um sentido de identidade, mas confrontar o observador com a complexidade e a instabilidade dessas configurações de grande escala.

Não sou "do tempo" de Robert mas, ainda vou a tempo de ver os lugares, as dimensões, o espaço e todas as experiências que estes me vierem a proporcionarem: com os Meus pés!

segunda-feira, abril 20, 2009

Ódio Musical passado... A girl like you - Edwin Collins

Ser Doido-Alegre, que Maior Ventura!

Ser doido-alegre, que maior ventura!
Morrer vivendo p'ra além da verdade.
É tão feliz quem goza tal loucura
Que nem na morte crê, que felicidade!

Encara, rindo, a vida que o tortura,
Sem ver na esmola, a falsa caridade,
Que bem no fundo é só vaidade pura,
Se acaso houver pureza na vaidade.

Já que não tenho, tal como preciso,
A felicidade que esse doido tem
De ver no purgatório um paraíso...

Direi, ao contemplar o seu sorriso,
Ai quem me dera ser doido também
P'ra suportar melhor quem tem juízo.

António Aleixo

sexta-feira, abril 17, 2009

Ódio Diabólico e em Dicionário...


Único:

1. Só... sem outro da sua espécie ou qualidade (hem????)... Sem BO female nos E.U.A. conta????? E o Bo sem ela(e) gosta (??????).
A
2. Muito superior aos outros, excepcional... Só conheço 1 "figurinha" deste estilo... ao ponto de achar que continua SEMPRE com razão! Inteligente, portanto!

3. Sem precedentes... Basta ir ao Bairo Alto?!?! Ou como agora fecha às 2:00 temos de procurar noutros sitios de mais... "classe"??? Incógnito??????

4. Singular, extravagante; ridículo... E não somos todos??????????... Pelo menos a dada altura da nossa vida????? Sim, pois, uns mais do que outros... "Cagões"!!!!

5. Excepcional; exclusivo... Procurem... isto, não é deste século! Trust me!

quinta-feira, abril 16, 2009

Ódio e Sugestões...


Esta semana... com este tempo, só mesmo livros: "As chuvas Vieram" de Louis Bromfield que certamente dará para todo um dim de semana, mesmo para quem não gosta de ler... Mas este é para ser surpresa a quem tenha... coragem de o ler.



E cinema... "A Mulher sem cabeça"... sim, há por aí muitas... Uma em particular (a do filme)... Mon Dieu! Sem comentários!

De Lucrecia Martel, com Maria Onetto, Mercedes Móran, Claudia Cantero, César Bordon. Drama / M12
Duração: 87m
Data: Arg./Esp./Fra./Ita., 2008

Depois dos prestigiados La Ciénaga (2001) e La Niña Santa (2004), o novo filme da cineasta argentina Lucrécia Martel fala-nos de Verónica que pensa ter morto uma pessoa ao atropelá-la (do género Spector mas... sem tribunal)... Enfim, será simplista se não mesmo, redutor dizer apenas isto ou até, fazer mais uma "piadola" acerca do filame quando ele não é está ligado ao humor fácil ou à metáfora social (a incrivel "burguesa" que ficou insensivel aos que lhe são "inferiores" e que, nem fábula da vida real, é protegida pelos seus iguais).

O filme (como a vida) é subtil, é mesmerizante e notável em termos "interiores" até mesmo ao final... porque depois de tudo o que escrevi... deixa um ponto de interrogação...

Tráu!

;)


Cinema King - Sala 1
Sessões: de 2009/04/09 até 2009/04/16
14h,16h, 18h, 20h, 22h, 00h30 (Qui, Sex, Sab, Seg)
Endereço: Avenida Frei Miguel Contreiras, 52 A
Acessos: Metro: Roma
Telefone: 218 480 808

quarta-feira, abril 15, 2009

Ódio e Efemérides...


De novo... grande problema de escolha... por um lado, Madame Pompadour, por outro Goya e por outro Sartre... vamos mesclar dado que nenhum (de novo) "batia bem da pinha"!!!!!

Jeanne-Antoinette Poisson, Marquise de Pompadour, mais conhecida como Madame de Pompadour (29 de Dezembro de 1721 - Paris — 15 de Abril de 1764 - Versalhes), filha de um rico e influente mercador, que foi expulso da França por corrupção, foi criada para ser amante do rei Luís XV de França... O pai desgraça-se e o que faz a filha???????? Desgraça a família um pouco mais...

Contudo, para não parecer muito mal, teve aulas de grego, inglês e piano, até que foi apresentada ao rei pelo seu tutor. Tornou-se amante real e chegou a conselheira do rei, tornando-se uma das mulheres mais poderosas da sua época... de p... a p... realmente a prostituição e a politica sempre foram "muito amigas"!!!!! E passar o "verniz" por cima de quem saiu do "buraco" parece ser coisa que ainda está em voga...

PIM!



Francisco José de Goya y Lucientes (Fuendetodos, Saragoça, 30 de Março de 1746 — Bordéus, França, 15 de Abril de 1828), foi um pintor e gravador espanhol. Conhecido como "Goya, o Turbulento" e considerado às vezes como "o Shakespeare do pincel", as suas produções artísticas incluem uma ampla variedade representativa de retratos, paisagens, cenas mitológicas, tragédia, comédia, sátira, farsa, homens, deuses e demónios, feiticeiros, e um pouco do obsceno... Ora, ora, tivesse nascido noutra altura e lá para Paris de França e era capaz de se tornar muito amigo da nossa Antonieta...

Goya iniciou a sua aprendizagem como pintor em 1759, aos treze anos, com Don José Luzan y Martinez. Como era costume na época, começou a fazer cópias de pinturas de vários mestres... hum... cheira-me a política...

Porém, o reconhecimento só lhe chega em 1785, quando começa a receber encomendas da aristocracia. A primeira encomenda foi para o "Festival Folclórico" do dia de Santo Isidoro. No mesmo ano, executou o primeiro retrato de um membro da nobreza, a Duquesa de Osuna. Em 25 de Abril de 1785, depois da morte de Carlos III e da coroação de Carlos IV, foi nomeado "Primeiro Pintor da Câmara do Rei", tornando-se o pintor oficial do monarca e sua família.

Em 1792, numa viagem a Andaluzia, contraiu uma doença séria e desconhecida, transmitida por seu amigo Sebastián Martínez, ficando temporariamente paralítico, parcialmente cego e totalmente surdo... São sempre SÓ amigos... verifico aqui que a falta de "tomat..." também já nesta altura era uma constante.

Há conta da doença ou por falta de inspiração, a verdade é que progressivamente, perdeu a sua vivacidade, o seu dinamismo, a sua autoconfiança. A alegria desapareceu lentamente das suas pinturas, as cores tornaram-se mais escuras e o seu modo de pintar ficou mais livre e expressivo.

Durante a última parte de sua vida, Goya cobriu as paredes de sua Quinta del Sordo com as famosas "pinturas negras", as últimas e mais misteriosas de seu gênio atormentado, como "Saturno devorando a un hijo" (1815) que se encontra atualmente no Museu do Prado. Esta pintura constitui uma referência aos conflitos internos de Espanha, durante o reinado absolutista de Fernando VII, mas será também um reflexo da degradação da sua saúde física e mental...

PAM!



Jean-Paul Charles Aymard Sartre (Paris, 21 de Junho de 1905 — Paris, 15 de Abril de 1980) foi um filósofo francês, escritor e crítico, conhecido representante do existencialismo. Acreditava que os intelectuais tinham de desempenhar um papel activo na sociedade. Era um artista militante, e apoiou causas políticas de esquerda com a sua vida e a sua obra... Olha junto com os 2 anteriores... Ui ca bom!

Repeliu as distinções e as funções oficiais e, por estes motivos, se recusou a receber o Prémio Nobel de Literatura de 1964. A sua filosofia dizia que no caso humano (e só no caso humano) a existência precede a essência, pois o homem primeiro existe, depois define-se, enquanto todas as outras coisas são o que são, sem se definir, e por isso sem ter uma "essência" posterior à existência... Pena é que algumas pessoas se definam tão mal em termos essenciais mas depois criam, na sua existência diária máscaras tão boas que passam por nós e até pensamos: "Olha ali vai um ser... humano!"

Em 1938 publica o meu romance favorito: "La Nausée" (A náusea) e, pensando bem... é o que sinto agora...

PUM!

terça-feira, abril 14, 2009

Ódio e Arquitectura...


Hoje falo-vos de 2 coisas diferentes... Agora ando numa de matar "muita coelhada" numa só "cacetada"... sim, é verdade, nunca sei bem como são os ditados e por isso... damos o nosso melhor... sorry!

Sim... falo de arquitectura mas também de carros... Como???? Perguntam voçês???? Ora porque os Delugan Meissl (arquitectos lá para as Aústrias... não é Astúrias ok pessoal marado?!?!) projectaram o Museu Porsche (em Estugarda) que, por esta altura, deverá estar terminado...

A Porsche é uma marca global, que combina sempre tradição e inovação... e aquela coisinha que eu não gosto nada: a velocidade! Vrummmmm...

A história da empresa já conta com mais de 100 anos e é moldada pela visão e pela paixão. O novo museu Porsche é um lugar que expressa, através da arquitectura, a atitude auto-confiante da empresa e os seus padrões de exigência... E sim, quem guia um, fica também "amodosque" imbuído dessa tal atitude um bocadinho... "cagona"! Mas fixe!

O conceito central do projecto foi a conversão de uma marca versátil e viva numa linguagem arquitectónica. O museu tem como característica estas condições específicas que a marca transmite, espacial e sensitivamente, aos visitantes. Ímpeto e velocidade, estática e movimento podem ser experienciados tanto na configuração do edifício como no ambiente espacial. O museu é um espaço aberto e claramente definido que incorpora todas as qualidades inerentes à marca.

Aqui, é verdade que não poderemos comprar nenhum dos carros em exposição mas, a velocidade e a paixão encontram os seus equivalentes espaciais e podem ser retratados, de forma impressionante, na experiência sensorial... Aos pobres como eu, resta mesmo a tal da experiência sensorial, ou seja, o "comeri cos olhos" e já vais com sorte!

Os principais parâmetros do projecto foram a experiência e a oportunidade de experienciar o conceito arquitectónico através da distribuição e localização no espaço. A aparente dicotomia da forma arquitectónica é a resposta apropriada função do edifício e à posição excepcional dos objectos que são expostos.O projecto conceptual do museu demonstra a nossa percepção dos edifícios como organismos interactivos, como se comunicassem sendo parte de um todo... Mas nós, o povo marado e "portuga" sabemos que a verdadeira dicotomia dá-se quando saímos de lá e pensamos: Crise! Porsche! Crise! Porsche!...

Shuinf... Crise!

segunda-feira, abril 13, 2009

Ódio Musical passado... Jai Ho - Pussycat Dolls

Não se acostume...

Não te acostumes com o que não te faz feliz, revolta-te quando julgares necessário.
Alarga o teu coração de esperanças mas, não deixes que ele se afogue nelas.

Se achares que precisas de voltar, volta!
Se perceberes que precisas de seguir, segue!

Se estiver tudo errado, começa novamente.
Se estiver tudo certo, continua.

Se sentires saudades, mata-as.
Se perderes um amor, não te percas!
Se o achares, segura-o!

Fernando Pessoa

sexta-feira, abril 10, 2009

Ódio Diabólico e em Dicionário...

Aviso... e com navegação (estilo "Paciente Inglês"... Para bom entendedor...).
Ontem faltou mesmo a energia para dar boas sugestões, ainda que, a que tenha dado acho... tenha sido boa para nos auto-avaliarmos... Porém, as férias vêm aí e para aqueles lados, mas não para já... Too many things to do, to little time to do it!




Férias:

Situação momentânea que, para
Os recibos verdes não existe;
Para os contratados, não têm dinheiro para elas,
E, para os banQueiros, são situações constantes à conta dos apoios do estado!

quinta-feira, abril 09, 2009

Ódio e Sugestões...


Este blog vai para férias... até sexta há coisas a escrever mas, depois ficamos sem "pio"... que nem Papa!
Prometemos voltar depois de duas semanitas de "relax"... se não gostar tanto como estou à espera... talvez antes... não muito antes... mas...

Porém, o conselho desta semana, para qualquer um de vós é (mesmo na cidade) fazer o que, penso fazer: avaliar as opções e decidir... nem que sejam coisas sem importância... normalmente, são essas que têm: Toda a importância!
Usem a imaginação!


Just Do It!

quarta-feira, abril 08, 2009

Ódio e Efemérides...


Um e outro morreram no mesmo dia com 9 anos de diferença... um era pintor o outro bailarino... os dois francamente loucos e, depois do "post" anterior... falar de quem? Começemos pelo menos óbvio... preparem-se para muito "textoparra" e pouca "sumadeuva"...


Vaslav Nijinski, em russo, Вацлав Фомич Нижинский, (Kiev, 28 de Dezembro de 1889) foi um bailarino e coreógrafo russo de origem polaca.

Para os críticos, Nijinski era dotado de uma técnica extraordinária. Por isso, foi chamado por muitos como o deus da dança, a oitava maravilha do mundo e o Vestris do Norte (em referência ao bailarino francês Auguste Vestris, junto ao qual seria sepultado, no cemitério de Montmartre, em Paris). Nijinski revolucionou o ballet no início do século XX, conciliando sua técnica com um poder de sedução da plateia. Os seus saltos desafiavam a lei da gravidade. excêntrico para lá dos seus saltos...

Manteve um relacionamento amoroso com Diaghilev, que ficou fortemente abalado quando Nijinski se casou com a condessa Romola de Pulszki, em 1913, em Buenos Aires... Não é admirar, caramba, ou se gosta de uma coisa ou se gosta da outra... brincar com a rapaziada dizendo que ama mas, casando com a senhora do "bagalhuço" e que ainda vai dando algum é acho que... tá-se cá em crer que... não se faz mas...

Talvez vez por essas ou possivelmente por outras, em 1919, com apenas 29 anos, foi acometido por distúrbio mental (esquizofrenia), tendo abandonado os palcos. A esquizofrenia do bailarino caracterizava-se, sobretudo pela desordem de pensamento. Essa marca é bastante evidente sobretudo, nos trechos dos seus diários, que acho interessante de lerem um dia: " Tenho uma copeira seca, porque sente. Ela pensa muito, porque foi dissecada no outro lugar onde ela serviu por muito tempo".

O seu impressionante diário, escrito em 1919, foi publicado por Romola de Pulszki em 1936. Entretanto, nessa versão, Romola eliminou um terço dos textos originais, suprimindo todos os versos e vários trechos com passagens eróticas... Mais uma mente aberta e esclarecida, portanto!

Nijinski passou por inúmeras clínicas psiquiátricas até completar os 60 anos. Morreu numa em Londres, em 8 de Abril de 1950. Somente em 1995 uma edição integral dos originais do seu diário foi publicada em França, pela editora Actes Sud, graças ao consentimento da filha de Nijinski, Tamara... os filhos, esses seres que, por vezes - mas só mesmo por vezes - são melhores que os pais e... em alguns casos até superam os demais "velhos do Restelo" que nunca foi!


O senhor que se segue é... Pablo Ruiz Picasso (Málaga, 25 de Outubro de 1881 — Mougins, 8 de Abril de 1973) foi reconhecidamente um dos mestres da Arte do século XX. É considerado um dos artistas mais famosos e versáteis de todo o mundo, tendo criado milhares de trabalhos, não somente pinturas, mas também esculturas e cerâmica, usando, enfim, todos os tipos de materiais. É conhecido como sendo o co-fundador do Cubismo juntamente com Georges Braque.

Os desenhos de infância de Picasso representavam cenas de touradas. A sua primeira obra, preservada, era um óleo sobre madeira, pintada aos oito anos: "O Toureiro".... Nada espanhol!!!!!!!

Picasso conservou esse trabalho toda a sua vida, levando-o consigo sempre que mudava de casa. Anos mais tarde pintou outro quadro semelhante.

A preocupação principal do pai com o pequeno Pablo era o seu aproveitamento escolar, mas nem por isso dispensou a oportunidade de fomentar o talento do filho. Desenhar foi desde cedo a forma mais adequada de Picasso se exprimir e, talvez por isso, secundário.

Recusa claramente o ensino usual, e encarrega-se ele próprio da sua formação artística. Com treze anos, e seguindo o modelo do pai, Picasso atingira já a perícia do progenitor (que também não era de grande refinamento - neste blog isto é uma no cravo e outra... na revolução... ora toma lá, dá cá!). Ao contrário do que se diz, Picasso era destro, como se pode ver no célebre documentário The Mystery of Picasso... não sei se interessa para o caso da pintura mas... talvez interessa-se para a quantidade de mulheres que... "namoriscou"...

Depois de uma estadia em Málaga, em 1897 instala-se em Madrid. E é em Madrid, que se inscreve na conceituada academia de artes espanhola, a Real Academia de Belas-Artes de São Fernando. Visita constantemente o Museu do Prado, onde copiava os grandes mestres, captava-lhes o estilo e tentava imitá-lo, o que se revelou, por um lado, um avanço, pois desenvolvia capacidade efémeras, e por outro lado, uma estagnação de um génio criativo limitado à cópia do trabalho dos históricos, cujas obras também vieram a ser alvo de uma revisitação e reinterpretação de Picasso em fases mais avançadas...

Não há bela sem se não... e o Lugosi era dos piores (já sei... trocadilho fraquito!... ou não, não não) porque, este copiar, a dada altura "sugou-lhe" quase por completo toda a capacidade de criação...

Decide então que "filmes" destes não são para si e que está na hora de conhecer mais do que a sua fronteira de identidade e viaja, então, para Paris em 1900.

Lá morou com Max Jacob (jornalista e poeta), que o ajudou com a língua francesa... dizem que foi mesmo só no linguajar mas... esta rapaziada artista... nunca se sabe...

Mas enfim... Max dormia de noite e Picasso durante o dia: trabalhar era à noite. Foi um período de extrema pobreza, frio e desespero. Muitos de seus desenhos tiveram que ser utilizados como material combustível para o aquecimento do quarto... o Max dizia-lhe muitas vezes "Oh pá deixa lá que ainda vais desenhar muitos cornos... e esses sim lá para Guernica, é que te vão dar reconhecimento!"... Pablito, assentia de cara sorridente e pé frio!

Em 1901 com Soler, um amigo, funda uma revista "Arte Joven", na cidade de Madrid. O primeiro número é todo ilustrado por ele. Foi a partir desta data que Picasso passa a assinar os seus trabalhos simplesmente “Picasso”, anteriormente assinava “Pablo Ruiz y Picasso”... Tché... Perdeu-se D. Pablo, ganhou-se um "Picasa"! Não sei se foi boa jogada mas...

Na fase azul (de 1901 a 1905), Picasso pintou a solidão, a morte e o abandono.... andava triste e isto de se perder mais de metade da identidade não é fácil...

Quando se apaixonou por Fernande Olivier (gaija pessoal... era gaija... nada de parvoíces que o Pablo era "muita" do homem), as suas pinturas mudaram de azul para rosa, inaugurando a fase rosa (1905-1906). Trabalhava durante a noite até o amanhecer... Tá claro 8nos dois sentidos do termos: de noite Fernandinha, de manhã rosinha, que há que manter uma mulher satisfeita... "atão"?!?!?!).

Em Paris, Picasso conheceu um selecto grupo de amigos célebres nos bairros de Montmartre e Montparnasse: André Breton, Guillaume Apollinaire e a escritora Gertrude Stein... Aqui sim... inveja... muita e grossa e, caramba... pelo menos a G.S.

Na fase rosa há abundância de tons de rosa e vermelho (estranho hem?!?!?!), e era caracterizada, sobretudo, pela presença de acrobatas, dançarinos, arlequins, artistas de circo, o mundo do circo.

No verão de 1906, durante uma estada em Andorra, a sua obra entrou numa nova fase marcada pela influência das artes gregas, ibérica e africana, começou então, sem querer, o protocubismo, o antecedente do cubismo. O célebre retrato de Gertrude Stein (1905-1906) revela um tratamento do rosto em forma de máscara.

Em 1912, Picasso realizou a sua primeira colagem, colando nas telas pedaços de jornais, papéis, tecidos, embalagens de cigarros.

Rapaz fiel como conhecemos alguns e algumas, não tardou por se apaixonar (também violentamente) por Olga Koklova (não comento o último nome que já sei que vai dar disparate certinho!), uma bailarina. Casaram-se em 12 de Julho de 1918. Neste período o artista já se tornara conhecido e era um artista da sociedade. Quando Olga engravidou, criou uma série de pinturas de mães com filhos.

Em 1943, Picasso conhece a pintora Françoise Gilot e tem dois filhos, Claude (do Claudio sabemos que anda na "Tertúlia dos rosas") e Paloma (acho que ando por ali no Cais do Sodré com o resto das amigas Pomba Gira e Pombinha) e, diz-se que só por volta dessa altura é que o mestre encontrou um pouco de paz, tendo inclusive, pintado Alegria de Viver... coisa estranhamente, pouco duradoura...

Entre o começo e o fim da 2ª Guerra Mundial (1939-1945), dedica-se também à escultura, gravação e cerâmica. Como gravador, domina as diversas técnicas: água-forte, água-tinta, ponta-seca, litogravura e gravura sobre linóleo colorido.

Como uma honra especial a ele, no seu 90ª aniversário, são comemorados com exposição na grande galeria do Museu do Louvre.


Importante reter nestas biografias:


1 - Só porque és maluco, NÃO és génio!

2 - Só porque és "gay", não és génio!

3 - Só porque és maluco, "gay" ou génio, não escrevas nada do qual te podes vir a arrepender ou, pior, o qual podes não vir a cumprir...


Seriously GUYS, get real!

terça-feira, abril 07, 2009

Ódio e Arquitectura...


Pensavam que o Júlio de Matos era só para malucos, bêbedos e enfermeiros?????

Desenganem-se!

Os enfermeiros podem lá tirar cursos, o pessoal do copo de três pode lá tomar o seu Tetradin mas, os malucos, todos nós sabemos que andam cá fora!!!!!

Minto!!!!

Os malucos andam cá fora quando não há exposições lá dentro... Ah pois é! Nessa altura é vê-los entrar e (alguns) a por lá ficar!!!! Alvalade "city" está "na berra" mas, o Júlio de Matos está a "bombar"!!!!

E depois de UNDERCONSTRUTION... não sei se algo ficará de pé...

Fora de brincadeiras: Underconstruction é um projecto que explora perspectivas de urbanismo em relação a diversos fluxos migratórios mundiais e (des)localizações no espaço urbano e na construção das periferias urbanas.

Underconstruction define-se nos espaços e geografias em transformação das metrópoles urbanas e consequente impacto na redefinição do conceito de cultura local, nacional e definições de estado e nação. Não pretende ser um inventário nem um plano de pormenor mas antes uma análise crítica numa perspectiva de intervenção artística, diálogo e debate, partindo de uma exposição de Artes Visuais e da edição de um livro.

Com curadoria de Paul Goodwin (Investigador, Urbanista e Curador da Tate Britain) e projecto artístico de Mónica de Miranda, a exposição tem um núcleo central de obras inéditas da artista e conta ainda com a participação de Artéria Arquitectura, Artur Moreira, Sofia Borges & Vasco Coelho e José Carlos Teixeira.

Através de diversas parcerias, o programa paralelo convoca criadores, estudiosos e críticos a reflectir e intervir em diversas actividades, destacando-se o lançamento do livro (com textos de Paul Goodwin, Manuela Ribeiro Sanches, Plataforma artigo 65 e Artéria Arquitectura) e o ciclo de cinema com curadoria de Lúcia Marques, conectando diversos espaços da cidade.

No decorrer da exposição será ainda editado um catálogo, com textos de Paul Goodwin e Fernandes Dias: "De Toxteth a Brick Lane, de Sarcelles a Lisboa, a diáspora e os emigrantes participaram na criação dos seus próprios mundos urbanos; os seus próprios urbanismos, que existem no seu interior e que são entrelaçados num contexto mais abrangente de sociedade. Não há uma experiência única da vida da cidade."

Nem, por sinal, dentro deste Hospital.

E como o dia parece ser de under-upper-side, não só dou "dicas arquitectónicas" mas também de programinha cultural... É mesmo a Loucura!!!!!


Nota Extra: Aconselho a Fábrica Braço de Prata nem que seja para ler um livro gratuitamente mas, só para quem tenha guia é que deve colocar o seu pézinho dentro da Cova da Moura ou então... Tratem o antes, o durante e o depois, comigo e o resto do gang!

;)

Resumo do programa:

Inauguração da exposição Underconstruction
20 de Março - 21h30Horário das 10.00 às 17.00 - Encerra aos Sábados e Domingos
Local: Pavilhão 28 do Hospital Júlio de Matos

Ciclo de Cinema + Lançamento do livro Underconstruction + Conversas em mesa Redonda + Jantar+Festa
21 de Março - a partir das 17h

Filme: Elogio ao 1/2 (2006), de Pedro Sena Nunes, 70'- (com a presença do realizador)
Local: Fábrica Braço de Prata
Ciclo de Cinema + Jantar
22 de Março- às 19h

Filme: Lisboa Mistura (2008), da Associação Sons da Lusofonia, 156'
Local: Associação de Melhoramentos e Recreativo do Talude
Ciclo de Cinema
23 de Março- às 19h

Filme: Lusofonia, a (r)evolução (2006), da Red Bull Music Academy, 60'
Local: Associação Moinho da Juventude, Bairro Cova da Moura
Ciclo de Cinema
24 de Março- às 19h

Filme: Outros bairros (1998), de/by Kiluanje Liberdade, Vasco Pimentel e Inês Gonçalves, 52'
Local: Ordem do Arquitectos
Visita ao Bairro Cova da Moura no âmbito do projecto Sabura +Jantar+ Música ao vivo
28 de Março - às 18.30h (Por inscrição)

Visita a Quinta da Vitória no âmbito do projecto "A Festa Acabou".
29 de Março- às 16h ( Por inscrição )

Tour pela Estrada Militar + Almoço+Lançamento Catálogo Underconstruction
5 de Abril ( Por inscrição )

Termina na Associação de Melhoramentos e Recreativo do Talude.

segunda-feira, abril 06, 2009

Ódio Musical passado... My friend - Groove Armada

O Amigo

1.

Um amigo, o primeiro amigo
dentro da nuvem de um sonho.

O impossível toca-nos as mãos
subitamente — o fogo, a flor concêntrica
de planetas no exílio.

Na terra do silêncio
os frutos caem
de sua própria vontade.

2.

Ao coração das coisas,
ao jugo das cores da memória,
ao pequeno desvio da sombra no deserto,
ao amor que nos alimenta de morte, à morte
que morre connosco
opomos a infinita
constelação
dos nossos sentidos.

Casimiro de Brito

sexta-feira, abril 03, 2009

Ódio Diabólico e em Dicionário...


Olvidar:

Poderíamos estar horas a falar sobre o que é a vida boémia e entre copos, declamar poesia de Olvídio mas, o tempo escassa... É melhor esquecer!

quinta-feira, abril 02, 2009

Ódio e Sugestões...


Nem toda a gente gosta de Angelica (sim, não disse ANGELINA)...
...a maioria não sabe o que é comédia negra e, se sabe... não aprecia ...
mas, acima de tudo, pouca (ou ninguém) quer saber de uma história acerca de sexo e coisas maradas...
Sim, é verdade: faço parte dos 5% que gostam do anteriormente descrito... Não obstante, aconselho vivamente este: Choke - Asfixia...

De Clark Gregg, com Sam Rockwell, Angelica Huston, Kelly Macdonald, Brad William Henke, Kathryn Alexander.
Comédia

O actor Clark Gregg estreia-se na direcção com uma comédia negra baseada no romance homónimo de Chuck Palahniuk. A história narra a vida de Victor, um viciado em sexo (em recuperação), que divide o tempo entre o emprego num parque temático, as visitas à mãe, doente de Alzheimer, e a ida a restaurantes de luxo onde simula asfixia por ingestão de alimentos - uma actividade peculiar que lhe permite ganhar dinheiro. Uma rotina que altera quando, num raro momento de lucidez, a mãe lhe revela um segredo que há muito desejava conhecer.
I
nternet: www.foxsearchlight.com/choke/


Sim, também é verdade, só está no tal de:
UCI Cinemas El Corte Inglés - Sala 11
Sessões: de 2009/03/26 até 2009/04/0111h30 (Dom),

14h, 16h, 18h, 20h, 22h, 00h20
Endereço: Avenida António Augusto Aguiar, 31 (El Corte Inglés)1069-413 Lisboa
Acessos: Metro: São Sebastião
Telefone: 707 232 221 (informações e venda de bilhetes)Fax: 213 800 405




Por conselho de um amigo que conhece este pessoal:

No DJ's

Os No DJ's são formados por Nuno Calado (DJ) e Filipe Nabais (VJ), que convidaram Luís Oliveira (igualmente membro da Antena 3 e programa Top+) para entrar no projecto como DJ. A viagem musical é uma imagem de marca deste colectivo, que junta o som à imagem.
Concerto:
11 Abril Chapitô

Aproveitem para jantar por lá... a comida não presta mas, à maioria dos lisboetas (a mim que sou tonta) é uma local incontornável da noite... estando boa noite de Inverno, encomendem um vinho quente... estando calor e com uma qualquer companhia, um copo de vinho da casa... é barato!
Internet: www.myspace.com/nodjs3



Porém, antes de nos metermos dentro de qualquer coisa (seja sala ou tenda) a ver se há tempo de dar um pulinho até à VIII Bienal de Antiguidades e aproveitamos o sol...
Seg a Sex: 18h-24h
Sáb, Dom: 16h-24h
26 Abr: 16h-22h

A Associação Portuguesa de Antiquários promove, entre 17 e 26 de Abril, uma nova edição daquele que já é considerado um dos mais importantes certames nacionais em torno das antiguidades e onde se encontram representados os principais agentes do sector. Trata-se de uma oportunidade sempre aguardada com expectativa por interessados, coleccionadores e curiosos. À semelhança das edições anteriores, no dia 16 de Abril decorre a cerimónia de pré-inauguração, revertendo as receitas a favor do Banco Alimentar Contra a Fome.

Internet: www.apa.pt
Informações Úteis: 213 474 571 (Associação Portuguesa dos Antiquários)
Cordoaria Nacional
Endereço: Avenida da Índia
Telefone: 213 642 909

quarta-feira, abril 01, 2009

Ódio e Efemérides...


Hoje tenho, mesmo que não fosse o caso, de vos falar de Marvin Gaye (2 de Abril de 1939 - 1 de Abril de 1984), nascido Marvin Pentz Gay, Jr. E falo dele não só porque foi um cantor popular de soul e R&B, mas também instrumentista, compositor e produtor. Não só porque gosto dele mas... porque ganhou fama internacional durante os anos 60 e 70 como um artista da produtora Motown... esse grande ícone que devia ter sido "franchisado" e não foi infelizmente.

E... guess what??? Apesar do nome, Marvin, se havia coisa que não era... Era: Gay... Pelo contrário, Marvin nem PELA moda, nem PARA estar na moda ou para SER moda... Marvin era ou tal do "Sexual Healing" e mais nada!... Claro que, gerações vindouras, vieram a comprovar que nada há de curativo na parte sexual a não ser a tal de Satisfation... e mesmo assim, nem sempre se consegue... I can`t get no...

Next... e como, não quero falar da Carolina Salgado, da sua irmã ou irmão ou de gente "quejanda", a verdade é que o cantor daria ao estilo de música cantada não só uma ino
vadora formula mas também realizaria numerosos sucessos durante os anos 60, entre eles "Stubborn Kind of Fellow", "How Sweet It Is (To Be Loved By You)", "I Heard It Through the Grapevine" e vários duetos com Tammi Terrell, incluindo "Ain't No Mountain High Enough" e "You're All I Need to Get By. Gaye é importante também por sempre ter lutado por produzir os seus sucessos, mas também por ser um criativo que poucos conheceriam na área.

Popular e querido dentro da Motown, Gaye já carregava com ele uma maneira sofisticada e cavalheiresca e tinha pouca necessidade de treino no sector de desenvolvimento artístico da gravadora . Em Junho de 1961, foi lançado a primeira gravação solo de Gaye, "The Soulful Moods of Marvin Gaye". Foi o segundo LP lançado pela Motown - o primeiro foi o "Hi... We're The Miracles", o primeiro disco dos Miracles. Apesar das faixas "How Deep Is The Ocean?" e "How High The Moon" terem sido elogiadas pela crítica pela profundidade das harmonias e melodias, o álbum de Gaye fracassou e nem chegou aos tops norte-americanos.

Marvin ainda tinha dificuldades em descobrir o seu jeito próprio de cantar, que ele desejava que fosse o mais próximo possível de Nat King Cole. Porém, a Motown queria que o cantor se direcionasse para melodias dentro da soul music, mais populares e atraentes no mercado... vendável... Como tudo na vida, Marvin, teve de aprendera vender... se!

Marvin, depois de uma batalha ganha dentro do que se vende e daquilo que o próprio era... teve o real azar de ser assassinado com um tiro pelo seu próprio pai, após uma briga iniciada quando os pais de Marvin discutiam sobre a perda de documentos de negócios.

A ironia é que Marvin foi morto por uma arma que ele próprio havia dado de presente ao seu pai. Marvin Pentz Sr. foi condenado a seis anos de prisão, após ser declarado culpado por homicídio. A acusação de assassinato foi abandonada após médicos descobrirem que ele estava com um tumor cerebral. Marvin Pentz Sr passou o final de sua vida em um asilo, onde morreria de pneumonia em 1998.

A ironia da vida... num só tiro!