terça-feira, janeiro 20, 2009

Ódio e Arquitectura...


Protótipo de Habitação Individual

“One Square Meter House”, Paris, 2006
Didier Fiúza Faustino
Bureau des Mésarchitectures

Didier Fiúza Faustino nasce em França no mítico ano de 1968. Termina o curso em 1995 na Escola de Arquitectura de Paris-Villemin. Em 1996 surge como um dos fundadores do Laboratório de Arquitectura, Performance e Sabotagem (LAPS) e, no ano seguinte, do multidisciplinar atelier Fauteil Vert de Paris. De 1998 a 2001 integra a direcção da Número Magazine em conjunto com Dinis Guarda. Em 2001, ganha o Prémio de Arte Pública Tabaqueira, pelo seu trabalho "Stair Way to Heaven - Espaço Público para Uso Individual" a implantar no futuro Jardim dos Aromas da Praça Central de Castelo Branco, zona actualmente em reconstrução no âmbito do Programa Polis. No mesmo ano, forma com Pascal Mazoyer o atelier Bureau des Mésarchitectures; desde então, divide a sua actividade profissional e amigos entre Lisboa e Paris.

A “One Square Meter House” é uma crítica óbvia da nossa sociedade individual, narcisista e egoísta. A unidade mínima do terreno, 1,00 m2, é o que serve de base para construir uma casa. Pode ser construída em qualquer lugar, é sempre a mesma, o que muda é o preço do terreno.

Na opinião do arquitecto: "O corpo colectivo vive, hoje, uma espécie de ilusão: o fascínio pelo skyscraper que está a voltar à nossa sociedade é assumido colectivamente." No seu entender, já não se fala nos sonhos de uma pessoa, mas no colectivo e este, acaba sempre por ser conduzido por forças individuais, como o caso das multinacionais.

"Há sempre o dono de uma companhia que paga para ter o sexo maior da terra." - diz com humor que lhe conhecido Faustino. A arrogância impera. E como duplo crítico que o arquitecto é: "Denuncio a individualidade. Identifico uma pessoa por detrás deste colectivo. Mostro como toda a história da arquitectura dos skyscrapers é sempre uma história individual."

Gosto dele... é português (segundo as suas palavras) e a minha prima conheceu-o porque concorreram ao mesmo Prémio da Tabaqueira... ele ganhou. Mas gostaram tanto um do outro que um jantar de Macdonald´s transformou-se numa longa ceia na primeira casa da minha prima.

Creio que ainda este fim-de-semana estará por terras de Portugal e, talvez eu tenha a felicidade de almoçar com ele na casa da primita. Para quem ainda há pouco tempo falava em ter saudades da língua francesa... ... ... pode ser desta.