sexta-feira, dezembro 29, 2006

Ódio a 2006! AMOR em 2007!






Amiguinhos:
E como para voçês só quero o melhor,aqui fica uma sugestão de passagem de ano: Polinésia Francesa...
Na bagagem basta levar maquina fotográfica, muito dinheiro em cartão visa, um pequeno mosquiteiro, uns livrinhos para o relax, chinelos, calções e bikinis, o resto é conhecer as paisagens, as pessoas e a cultura! Divirtam-se que, lá também não será muito dificil...
Um bom 2007!!!!
Como canta o Ódio velho, assim NÃO cantará o novo!

Ódio a um ano com pouco para recordar!


Neste ano que termina e que aparentemente parece findar surpreendentemente melhor do que começou... há um facto que me deixou algo abalada e que, na altura não comentei... terá chegado a hora...
Morreu dia 26 de Novembro do ano que agora acaba, num dia possivelmente um pouco mais quente que o de hoje um homem surrealmente livre e de historias reais...Mário, sempre visto como criador vagabundo, não desiludia o seu público e, por isso raramente escrevia em casa. Não tinha também, horas certas para pintar e via na rua o seu elemento.
Respirava-a, sentia-a viviam-se em pleno...
A primeira recordação que tenho de Mário é de um "tipo que não batia muito bem"... conheci a figura, juntamente com alguns vultos da nossa literatura num acaso quando era adolescente e me obrigaram a ir a um aniversário de uns amigos dos pais...
Foi a primeira e única recordação que perdurou durante muitos anos... Em adolescente temos preocupações que nem sempre passam por dar atenção aos adultos e, tão pouco aos adultos amigos dos pais...
Só mais tarde, quando despertei para a poesia é que voltei a prestar atenção aquele "tipo que por caso até já o tinha visto em qualquer lado". Ainda que na altura estivesse mais inebriada com a poesia de Cecília Meireles e como surrealismo poético de Pedro Oom. Foi de novo através de um outro conhecido, com a tal idade bem além da minha (Mário Gonçalves) que me foi apresentada a sua poesia dos quais, o Corpo Visivel terá sido o que mais me marcou e que mais terá mudado a minha "vida interior"...
Deixo aqui um outro que amo também intensamente...
Em todas as ruas te encontro...
Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto, tão perto, tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura
Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco.
Como canta o Ódio velho, assim cantará o novo!

quinta-feira, dezembro 28, 2006

Ódio... um pouco pecador!


Morreu num dia como o de hoje (possivelmente um pouco mais quente...) o poeta e jornalista brasileiro Olavo Bilac (de seu nome completo Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac - Rio de Janeiro, 16 de Dezembro de 1865 — Rio de Janeiro, 28 de Dezembro de 1918) foi também membro fundador da Academia Brasileira de Letras.
Em 1884 seu soneto Nero foi publicado na Gazeta de Notícias, do Rio de Janeiro. Em 1887 iniciou carreira de jornalista literário e, em 1888, teve publicado o seu primeiro livro, "Poesias". Nos anos seguintes, publicaria crónicas, conferências literárias, discursos, livros infantis e didáticos, entre outros.
Republicano e nacionalista, escreveu a letra do Hino à Bandeira e fez oposição ao governo de Floriano Peixoto. Em 1907, foi o primeiro a ser eleito “príncipe dos poetas brasileiros”, pela revista Fon-Fon. De 1915 a 1917, fez campanha cívica nacional pelo serviço militar obrigatório e pela instrução primária.
Destaca-se na sua obra poética o livro póstumo "Tarde" (1919). Parte das crónicas que escreveu em mais de 20 anos de jornalismo está reunida em livros, entre os quais "Vossa Insolência" (1996). Bilac, foi também autor de alguns dos mais populares poemas brasileiros, e é considerado o mais importante de nossos poetas parnasianos. E aqui fica um dos seus mais belos poemas - na minha modesta opinião:
"Um beijo
Foste o beijo melhor da minha vida,
ou talvez o pior...Glória e tormento,
contigo à luz subi do firmamento,
contigo fui pela infernal descida!
Morreste, e o meu desejo não te olvida:
queimas-me o sangue, enches-me o pensamento,
e do teu gosto amargo me alimento,
e rolo-te na boca malferida.
Beijo extremo, meu prémio e meu castigo,
baptismo e extrema-unção, naquele instante
porque, feliz, eu não morri contigo?
Sinto-me o ardor, e o crepitar te escuto,
beijo divino! E anseio delirante,
na perpétua saudade de um minuto..."
E se todos os beijos fossem dados assim...
Como canta o Ódio velho, assim cantará o novo!

Ódio recebido... parte IV e um quarto!

Este caracter significa: Nihonjin ni naritai!
"Trabalho de casa": Que raio vem a ser o "Nitorijekonaritai"?????????
Vá descubram...
Como canta o Ódio velho, assim cantará o novo!

Ódio recebido... III e meio!



Ora e para quem "gosta muuuiitoooo" de peixinhos... Aqui anda a prendinha ideal que se deve receber de um amigo "ideal"... Num "flush" e lá vão eles todos felizes caminho ao mar ter com o Nemo... Estes não são peixes-palhaços mas, devem achar uma piada aos remoinhos que.. só... visto!!!!!
Como canta o Ódio velho, assim cantará o novo!

terça-feira, dezembro 26, 2006

Ódio recebido... II e meio!



Pois é... esta foi mais uma prenda alucinada...
Esta já será um pouco mais util... ainda que, com o frio que faz...
Como canta o Ódio velho, assim cantará o novo!

Ódio recebido...


E depois da "montanha de ideias" que dei para comprarem prendinhas... Segue aqui aquilo que eu "recebi"... Este é o Stonehenge Watch, que dá horas solares... "Oh mãe é lindo!" - Não terá muita utilidade mas que é lindinho é...
Era engraçado fazerem uma lista vossa...
Como canta o Ódio velho, assim cantará o novo!

sexta-feira, dezembro 22, 2006

Ódio versão Ho, Ho, Ho...


Amigos:
Despeço-me por hoje e por esta época... Para a semana há mais!
Espero que o vosso Natal seja positivo e perto daqueles que amam e que vos amam...
O Natal à janela e o Ódio na panela!

Ódio usb...


E agora perguntam vós: "Que raio de arvorezinha vem a ser esta?"
Eu dou uma ajuda:
Serve para colocar no computas...
Tem cabinho...
Sim, sim... é um usb... Tão natalício que ele é!!!!
O Natal à janela e o Ódio na panela!

Ódio para "abanaricar"!


Não é cheio de espirito natalicío este mouse????
Uma prenda apenas para quem gosta de trabalhar de uma forma diferente...
O Natal à janela e o Ódio na panela!

quinta-feira, dezembro 21, 2006

Ódio Di.ferente!


Ani Difranco! É difícil "entrar" à primeira audição. À segunda. Tem uma forma muito própria. Uma vez escutada com atenção e de peito aberto, Ani D. é um misto de revolucionária de voz negra e de calma e simplicidade surpreendentes. É grande nas palavras. É a voz da revolta, a voz política, a voz do íntimo, a voz que se funde no instrumento.
Palavras certeiras. Ritmo. Sincopado. Palavras escolhidas a dedo. Abruptas. Baladas que não sei se são baladas. Guitarra. Guitarra. Piano. Guitarra. Palavras ditas com expressividade. Rimas (eu nem gosto de rimas!!!) que soam naturais, como se tudo fluísse. E tudo flui. A rima é um acidente. Está tudo lá. É o coloquial a roçar o poético. O poético a roçar o coloquial. A palavra a ser cantada e a música a ser dita. Guitarra. É a musicalidade dentro de Ani D.
Certamente uma boa prenda!
O Natal à janela e o Ódio na panela!

Ódio satírico.

Morreu num dia como o de hoje, o grande e Lusitano Homem Manuel Maria de Barbosa l´Hedois Du Bocage (Setúbal, 15 de Setembro de 1765 — Lisboa, 21 de Dezembro de 1805), poeta português e, possivelmente, o maior representante do arcadismo lusitano. Embora ícone deste movimento literário, é uma figura inserida num período de transição do estilo clássico para o estilo romântico que terá forte presença na literatura portuguesa do século XIX.

Nascido em Setúbal às três horas da tarde. Era filho do bacharel José Luís Soares de Barbosa, juiz de fora, ouvidor, e depois advogado, e de D. Mariana Joaquina Xavier l’Hedois Lustoff du Bocage, cujo pai era francês.

A sua mãe era segunda sobrinha da célebre poetisa francesa, madame Marie Anne Le Page du Bocage, tradutora do "Paraíso" de Milton, imitadora da "Morte de Abel" de Gessner, e autora da tragédia "As Amazonas" e do poema épico em dez cantos "A Columbiada", que lhe mereceu a coroa de louros de Voltaire e o primeiro prémio da academia de Rouen.
Apesar das numerosas biografias publicadas após a sua morte, boa parte da sua vida permanece um mistério. Não sabemos que estudos fez, embora se deduza da sua obra que estudou os clássicos e as mitologias grega e latina, que estudou francês e também latim. A par desse mistério, a identificação das mulheres que amou também é duvidosa e discutível.
A sua infância foi infeliz. O pai foi preso por dívidas ao Estado quando ele tinha seis anos e permaneceu na cadeia seis anos. A sua mãe faleceu quando tinha dez anos. Possivelmente ferido por um amor não correspondido, assentou praça como voluntário em 22 de Setembro de 1781 e permaneceu no Exército até 15 de Setembro de 1783. Foi depois colocado em Damão, mas desertou, embarcando para Macau. Estranhamente, não foi punido e deverá ter regressado a Lisboa em meados de 1790.
A década seguinte é a da sua maior produção literária e também o período de maior boémia e vida de aventuras. Ainda em 1790 foi convidado e aderiu à Academia das Belas Letras ou Nova Arcádia, onde adoptou o pseudónimo Elmano Sadino. Mas passado pouco tempo escrevia já ferozes sátiras contra os confrades.
Em 1791, foi publicada a 1.ª edição das “Rimas”. Dominava então Lisboa o Intendente da Polícia Pina Manique que decidiu pôr ordem na cidade, tendo em 7 de Agosto de 1797, dado ordem de prisão a Bocage por ser “desordenado nos costumes”. Durante este longo período de detenção, Bocage mudou o seu comportamento e começou a trabalhar seriamente como redactor e tradutor. Só saiu em liberdade no último dia de 1798.
De 1799 a 1801 trabalhou sobretudo com Frei José Mariano da Conceição Veloso, um frade brasileiro, politicamente bem situado e nas boas graças de Pina Manique, que lhe deu muitos trabalhos para traduzir. A partir de 1801, até à morte por aneurisma.
"Lá quando em mim perder a humanidade

Lá quando em mim perder a humanidade
Mais um daqueles, que não fazem falta,
Verbi-gratia – o teólogo, o peralta,
Algum duque, ou marquês, ou conde, ou frade:
Não quero funeral comunidade,
que engrole sub-venites em voz alta;
Pingados gatarrões, gente de malta,
Eu também vos dispenso a caridade:
Mas quando ferrugenta enxada idosa
Sepulcro me cavar em ermo outeiro,
Lavre-me este epitáfio mão piedosa:
"Aqui dorme Bocage, o putanheiro:
Passou a vida folgada, e milagrosa:
Comeu, bebeu, fodeu sem ter dinheiro"."
Homem com "eles" no sitio portanto!
O Natal à janela e o Ódio na panela!

Ódio jet powered...


Para quem não gosta da época (como eu...) mas tem de participar na mesma (como eu, ainda que muito contrariada) um conselho: comprem um destes e, logo que possam, "ponham-se a milhas"!
O Natal à janela e o Ódio na panela!

Ódio relaxante...


Claro que está que esta é uma época louca... porque não durante a mesma termos uma prenda que, após a própria sirva para algo mais????
Baralhados???? Acredito!!!!
Mas este iGoGo MP3 Player-Massager também a mim me deixou atónita... Claro que só podia vir dos "orientes" mas enfim... Passado o espanto achei que até nem seria uma má ideia... Depois do perú, das prendas, do vinho, do barulho, da (tal) da loucura... Porque não uma massagem?????? Eu sei que eu vou precisar!!!!!
O Natal à janela e o Ódio na panela!

Ódio... 7 sentido!


A M. Night Shyamalan faltou este sentido...
O de se ver Dumb people everywhere!!!!
Sem mais comentários...
O Natal à janela e o Ódio na panela!

quarta-feira, dezembro 20, 2006

Ódio illuminare..


Para fazer "conjunto" com a t-shirt que segue em baixo...
Esta chinese round LED Lamp é a companhia ideal...
O Natal à janela e o Ódio na panela!

Ódio sake!



Em português: Eu Adoro Álcool!

Em japonês: Sake Bito!

Para os mais destemidos: a usar no Natal e na Passagem de Ano!

Para o mais envergonhados: Só usar na Passagem de Ano!

O Natal à janela e o Ódio na panela!

Ódio Fundi...do!

Para um Natal beeemmmmm juntinho e quentinho... e mais... baratinho...
O Natal à janela e o Ódio na panela!

Ódio Hibrido...


Mais uma ideiazinha natalesca: a EV-X7 é uma motoecológica (hibrida, portanto) que trabalha, como o próprio anúncio refere a electricidade, com toda a velocidade e conforto de uma moto mais normalzinha... O preço é que não normal (2000,00€) mas, esta também não é (por definição) uma época normal... É a própria da loucura... ... ...
O Natal à janela e o Ódio na panela!

terça-feira, dezembro 19, 2006

Ódio uivante...

(Retrato de Emily Brontë feito por seu irmão Branwell Brontë)
Morreu num dia um tanto ou quanto diferente do de hoje, Emily Jane Brontë (30 de Julho de 1818 - 19 de Dezembro de 1848) foi uma escritora e poeta britânica, autora do cultuado livro " Wuthering Heights" (traduzido para português como "O Monte dos Vendavais" foi o romance mais famoso da escritora britânica. Hoje considerado um clássico da literatura inglesa, recebeu fortes críticas no século XIX, época em que foi lançado) .
Emily nasceu no Thornton em Yorkshire na Inglaterra, irmã mais nova da também conhecida Charlotte Brontë e a quinta de seis crianças. Em 1820, sua família mudou-se para Haworth, onde o pai de Emily foi um curador, e nestes arredores o seu talento literário floresceu. Depois da morte da sua mãe, as três irmãs e o seu irmão Branwell criaram terras imaginárias (Angria, Gondal, Gaaldine), que aparecem nas estórias que eles escreveram. Poucos dos trabalhos de Emily neste período sobreviveram, excepto alguns poemas.
O Natal à janela e o Ódio na panela!

Ódio a voar sobre... um ninho de cucos!


Ora e para aqueles amigos que são radicais e gostam de coisas novas: a prenda ideal seram estas ESG flying wings! E "buga lá!
O Natal à janela e o òdio na panela!


Ódio desperto.



Ele há gente que não acorda nem por nada, qual despertador, qual balde de água fria, qual quê... Pois muito bem, a esses, a prenda ideal será dar-lhes a primeira t-shirt (com relógio incluído) ou a segunda (com molecula de cafeína incluída)...
Para as "múmias paralíticas" que proliferam na nossa rede de amizades dêem-se as duas e não sejamos "Scrooge´s"!!!!
O Natal à janela e o Ódio na panela!

segunda-feira, dezembro 18, 2006

Ódio Luthier!

(Antonio Stradivari)
Morreu num dia como o de hoje: Antonio Giacomo Stradivari ou latinizado Antonius Stradivarius (Cremona, 1648— Cremona, 1 de Dezembro de 1737) célebre luthier italiano (ver página sobre lutheria: http://www.violinoart.com/).
Stradivari começou ainda muito jovem como discípulo de Nicolo Amati, e com ele aprendeu e desenvolveu a arte inconfundível de fazer instrumentos de corda, como é o caso dos violinos, das violas e dos violoncelos, dos contra-baixos, dos violões e das harpas.
O período áureo de sua carreira foi entre 1700 e 1722, quando lançou a forma G e construiu seus violinos mais famosos, como o "Bets" em 1705, o "Cremonese" em 1715, o "Messiah" e o "Medici" ambos em 1716.
Como todos os tipos desta época, guardava muito bem os seus segredos, e, neste caso, guardou-os tão bem que ainda hoje muitas das técnicas utilizadas por ele ainda não foram completamente desvendadas . Sabe-se que as madeiras usadas eram o acero e o abeto, este para o tampo harmónico e partes internas e o outro para o fundo, faixa e braço. A madeira era tratada com diversos tipos de minerais, borato de potássio, silicato de sódio e de silicato de potássio, verniz de bianca (um composto de goma arábica, mel e clara de ovo), para além disso, sabe-se também que Stradivari selecionava as madeiras mais antigas e ressecadas.
O Natal à janela e o Ódio na Panela!

Ódio versão "Famelga"!




Era uma vez uma menina que tinha um blog a quem acusavam de não colocar "post`s" para a família... A menina andava triste e sentia-se injustiçada... Mas a "brilhante carola" de facto não conseguia dar com prendas "versão família"...
Até que um dia...
Sentada que estava à lareira, em amena cavaqueira com uns amigos "alembrou-se" e ao mesmo tempo "arrecordou-se" da história do Daddy Bear (not Beer! Esse é o urso dos A.A., aquele grupo musical "quase" desaparecido!), da Mummy Bear (que tinha acabado de filmar, precisamente o "Ataque das Múmis - O Regresso") e o Kid Bear (que fugiu recentemente do Chucky o "coisinho" assassino)... e assim, como quem não quer a coisa, ficou bem patente que nessa história, os danados dos animais andavam todos nús... Ora muito lindo!!!!! Que raio de moral vem a ter a história???? Não podiamos continuar neste despautério... nesta pouca vergonha... Aiiiiii...
Depois de muito "apensar" e coiso e tal... Problema resolvido: T-shirt`s para todos os URSOS que se prezem e saibam linguagem binária: A primeira diz Kid, a segunda Mom e a terceira... adivinhem lá...
O Natal à janela, e o Ódio na panela!

Ódio com preguiça!


Ora e para quem gosta de uma casa diferente e dá um uso ao quarto, sem ser o mais óbvio (agora dêem asas à imaginação...)... Aqui fica o Bed Cinema...
Mais uma prendinha "pequenina" com muita "gadget" à mistura...
O Natal à janela e o Ódio na panela!

Ódio e coiso...


Este AQUAVISTA 500 - Wall Mounted Aquarium é mais uma prenda aqui do She Hate Me a pensar nos amiguinhos blogers...
Uma prenda original que...
Não será para todos...
Um pouco cara e tal mas...
O Natal à janela, e o Ódio na panela!

sexta-feira, dezembro 15, 2006

Ódio Marciano!


E... para as pessoas que têm uma casa diferente...
Aqui está a UFO Table, uma mesa diferente por excelência!
Os ódios de Natal são saltos de pardal!

Ódio... Para lá dos 7 palmos!


Se não sabem o que oferecer a alguém de quem GOSTAM...
Se não sabem o que oferecer a alguém de quem NÃO GOSTAM...
A prenda ideal por ser eclética!
Com direito a relva e tudo... O "talhão de terra" ideal para muita gente!
Os ódios de Natal são saltos de pardal!

quinta-feira, dezembro 14, 2006

Ódio com muuuuiiitooooo Amor!


Sou admiradora confessa de Fanny... como tal... se puderem... se gostarem... vão ver este espectáculo que pode ser um prelúdio para prenda de Natal... Eu vou!

Fanny Ardant - Genesis Suite (1945) e Oedipus Rex20, 21, 22 Dez: 20h

Dois espectáculos que contam com a participação de Fanny Ardant

Genesis Suite (1945)Arnold Schönberg, Darius Milhaud, Mario Castelnuovo-Tedesco, Igor Stravinski
Esta interpretação musical dos primeiros onze capítulos do Livro Génesis, resultou de uma encomenda do compositor Nathaniel Shilkret aos mais importantes compositores da altura (1944).

Oedipus RexIgor Stravinski
Ópera-oratória com libreto de Jean Cocteau segundo Sófocles.
Informações Úteis: Preço dos bilhetes: 25€ a 60€
Teatros
Teatro Nacional de São Carlos
Endereço: Rua Serpa Pinto, 91200-442 Lisboa
Telefone: 213 253 045/6Fax: 213 253 047
Os ódios de Natal são saltos de pardal!

Ódio natalício para os menos "remediados"...


Este pequeno "bólide" é o Saleen S7 Twin Turbo... é o carro mais caro do momento... Descubram porquê!!!!!!
Entretanto, quem não "der a mínima" para o dinheiro já sabe o que me oferecer... Thank you, thank you very nice! Gracias!
Os ódios de Natal são saltos de pardal!

Ódio natalício para os mais "remediados"...


Para enfeitar a casa com o verdadeiro espirito natalício (ECA!).
É Natal, é Natal, lem , lem, lem, lem lem... Dim, dim, dim, dim, dim, dim, lá, lá, lá, lá, lá... Hei!
Os ódios de Natal são saltos de pardal!

quarta-feira, dezembro 13, 2006

Ódio natalício bem apertadinho!!!!!!

Se este ano os "papis" vos oferecerem uma prendinha com motor...
Tenham cuidado...
e não façam o mesmo que aqui o seu "Panças-Man e Su Muxaxa" que das duas uma, ou julgam que perderam o filho algures no caminho ou, ainda não sabem sequer da existência do mesmo! De qualquer forma... não deixa de ser bem "sad"...
Os ódios de Natal são saltos de pardal!

Ódio versão de Composição VIII...

Mais uma sugestão completamente acessivel para darmos aos nossos amigos e parentes: Este maravilhoso e bem "desconhecido" quadro de Wassily Kandinsky, em russo Василий Кандинский, (rapaz que nasce em Moscovo a 16 d Dezembro de 1866) foi um artista russo, professor da Bauhaus e introdutor da abstração no campo das artes visuais. Apesar da origem russa, adquiriu a nacionalidade francesa.
Passa grande parte da infância em Odessa (cidade bem conhecida de um rapaz "amigo" que para lá emigrou). Entretanto, já farto, possivelmente, da "aldeia" de Odessa volta à capital russa, onde estudou direito e economia na Universidade de Moscovo, mas desistiu destas carreiras (muuuuitoooo estranho!!!!). Os seus primeiros estudos em pintura ocorreram em Munique em 1896.
Já na década de 1910 Kandinsky desenvolve seus primeiros estudos não figurativos, fazendo com que seja considerado o primeiro pintor ocidental a produzir uma tela abstrata. Desenvolve a arte abstrata até o fim de sua vida. Junto a Piet Mondrian e Kasimir Malevich, faz parte do "trio sagrado" da abstração, sendo o mais famoso.
Quando do advento da Revolução Russa, Wassily volta à Rússia interessado nos rumos do país, mas desentende-se com as teorias da arte oficiais e retorna à Alemanha em 1921. Em constante contato com os artistas de vanguarda, passa a leccionar na Bauhaus até 1933 (quando a escola é fechada pelo governo nazi). Muda-se para Paris e aí viveu até o fim de sua vida. Falece num dia em tudo igual ao de hoje em Neuilly-sur-Seine de 1944.
Esta sua composição VIII é sobretudo interessante no sentido do ritmo geométrico em tudo diferente da sua anterior Composição VII que é extremamente emocional e explosiva...
Os ódios de Natal são saltos de pardal!

terça-feira, dezembro 12, 2006

Pois é... Não encontrei de facto guias de sobrevivência contra gente parva mas... ainda assim encontrei esta t-shirt que em código ascii binário que diz: "You Are Dumb"!
Uma boa prenda para muita gente (penso eu de que!)... Sobretudo se vendermos o produto como dizendo: "És Muito(a) Giro(a)"...
Apenas uma ideia...
Os ódios de Natal são saltos de pardal!

Ódio natalício em versão Grito...

Sendo hoje o aniversário de Edvard Munch, fica aqui um pouco de "coltura" e mais uma ideia para uma prenda... que, a ser entregue, terá de ser roubada... de novo...
O Grito (no original Skrik) é uma pintura do norueguês Munch datada de 1893. A obra representa uma figura andrógina num momento de profunda angústia e desespero existencial. O pano de fundo é a doca de Oslofjord (em Oslo) ao pôr-do-Sol. O Grito é considerado como uma das obras mais importantes do movimento expressionista e adquiriu um estuto de ícone cultural.
A fonte de inspiração d’O Grito pode ser encontrada na vida pessoal do próprio Munch, um homem educado por um pai controlador, que assistiu em criança à morte da mãe e de uma irmã. Decidido a lutar pelo sonho de se dedicar à pintura, Munch cortou com o pai e integrou a cena artística de Oslo. A escolha não lhe trouxe a paz desejada, bem pelo contrário. Munch acabou por se envolver com uma mulher casada que só lhe trouxe mágoa e desespero e no início da décad de 1890, Laura a sua irmã favorita, foi diagnosticada com doença bipolar e internada num asilo psiquiátrico. O seu estado de espírito está bem patente nas linhas que escreveu no seu diário:
Passeava com dois amigos ao pôr-do-sol – o céu ficou de súbito vermelho-sangue – eu parei, exausto, e inclinei-me sobre a vedação – havia sangue e línguas de fogo sobre o azul escuro do fjord e sobre a cidade – os meus amigos continuaram, mas eu fiquei ali a tremer de ansiedade – e senti o grito infinito da Natureza.
A carreira desta obra enquanto ícone cultural começou no período pós-segunda grande guerra. Em 1961, a revista Time colocou O Grito em destaque, como capa da sua edição dedicada aos complexos de culpa e ansiedade. Mais tarde, nos anos 80, Andy Warhol realizou uma série de trabalhos dedicados à obra de Munch que incluiu uma reinterpretação d’O Grito.
Os ódios de Natal são saltos de pardal!

segunda-feira, dezembro 11, 2006

Ódio Natalício...


E para que não digam que não sou amiguinha... Aqui ficam, "inté" ao Natal, só sugestões para compras natalícias... Certamente alguém irá precisar delas...
E, para começar esta loucura de consumismo aqui vai a primeira "ideia":
O "Zombie Survival Guide" - que como o próprio livro diz é o melhor para nos protegermos contra essa gentinha... Ui, ui... e o que anda prá`í mais é gente desse género!!!!!!!!!
Os ódios de Natal são saltos de pardal!

Ódio Natalício...


E aqui vai mais uma ideia...
O desenho é bastante descritivo mas já agora, esta "fab-miquisola" denomina-se de "Beware of Pervets"... Alguém conhece algum(a) "Manitas de Plata" a quem oferecer???... agora é a altura ideal!!!!!
E para não ficarem na ignorância acerca daquilo que estão a dar, a primeira frase significa precisamente "Beware of Pervets" e a segunda "Dangerous Persons are in this Area"...
Os ódios de Natal são saltos de pardal!

quinta-feira, dezembro 07, 2006

Ódio Solidário!


Hoje e apenas hoje uma sugestão para um fim-de-semana altruísta... NATALIS - Feira de Natal e da Solidariedade de Lisboa.
Claro está que tenho interesse "próprio" dado que a "minha" instituição está lá representada e os "meus" meninos estão lá a trabalhar...
Info extra:
Horário: das 14:30 às 23:00. De 02 a 10 de Dezembro.
Preço: Bilhete Individual: 1€. Sénior (> 65 anos) e Pessoas portadoras de necessidades especiais: 0,50€. Menores de 12 anos: Grátis.
Local: FIL - Pavilhão 1 (Parque das Nações).
Exposição e venda: Artesanato, brindes, discos/dvd´s, decoração de natal, jogos e presentes diversos.
Gastronomia: Doçaria, enchidos, queijos e bebidas tipicas.
Claro está que as receitas de bilheteira revertem a favor de organizações de solidariedade social, permitindo também que, nesta época especial, os mais desfavorecidos sejam lembrados e apoiados.
A Ódio (Solidário) não se olha o dente!

quarta-feira, dezembro 06, 2006

Ódio... a fugir de forma... já REAL!

(Garvity plane - Fuelless Plane)
Às vezes temos vontade fugir, escapar nas palavras de Pessoa:
"Não só quem nos odeia ou nos inveja
Nos limita e oprime; quem nos ama
Não menos nos limita.
Que os deuses me concedam que, despido
De afectos, tenha a fria liberdade
Dos píncaros sem nada.
Quem quer pouco, tem tudo; quem quer nada
É livre; quem não tem, e não deseja,
Homem, é igual aos deuses.
Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa.
Põe quanto és
No mínimo que fazes
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive."
Hoje, nem que seja na nossa imaginação, escapemos!
A Ódio dado não se olha o dente

Ódio... a fugir de forma... ainda IRREAL!



Este blog sempre "on the edge" das novas invenções tem hoje duas que são por demais interessantes para apresentar, na modesta opinião desta "blogueira"... E não são brincadeirinha...
A 1ª imagem é o Invisibility cloak que é de facto um tipo de tecido que, após vestido permite a "quase" invisibilidade da pessoa que o veste... O autor, John Pendry garante que daqui a 5 anos (apenas) desenvolver-se-á a tecnologia do tecido de tal forma que a invisibilidade será total... Tal será conseguido porque segundo o próprio "(...) light waves would flow around an object hidden inside the metamaterial cloak anda that allow`s de invisibility of the person”... Ora tomem!
A 2ª imagem (apesar de ser de um dos "Star Trek") serviu apenas para ilustrar um fenomeno que alguns "geeks" da Universidade da Dinamarca conseguiram alcançar após vários anos de estudo... Em Outubro, deste ano, fizeram o "teletransporte" de meio metro de distância de dois objectos que continham vários milhares de biliões de atomos. O método a ser aperfeiçoado permitirá o "teletransporte" de pessoas em grandes distâncias... Para quando... ainda não sabemos mas... fica aqui uma boa ideia para se fugir a gente indesejável... "Mr. Spok, beem me up!"
A Ódio dado não se olha o dente!

terça-feira, dezembro 05, 2006

Ódio em versão "descarga eléctrica"!


Que os telemoveis são uteis nós já sabiamos, que fazem mil e uma coisas também vamos sabendo... agora que se inventou um que emite uma descarga electrica como forma de protecção a possiveis ataques de estranhos, esta sim é fora do comum... Chato será estar a atender uma chamada, ocorrer uma tempestade como a de hoje e Zás Pás descarga na orelhita... Enfim... invenções...
A Ódio dado não se olha o dente!